Rádio Observador

10 de junho

O 10 de Junho dos Combatentes

Autor
1.433

A cerimónia transcende ideologias e não pretende rever o que a História decidiu, antes não retirar aos mortos dos 14 anos de guerra, e a todos que na defesa da pátria tombaram, o seu lugar na História

As comunidades vivem de mitos e ritos. Isto é verdade quer para uma comunidade histórico-cultural, como a nação, quer para uma comunidade desportiva, como um clube de futebol.

A celebração dos mitos e a continuidade dos ritos é o que, numa demonstração externa, pública e estética, corporiza o espírito, a memória e a História. A nação portuguesa, com quase mil anos de história independente e com fronteiras centenárias na Europa, é uma construção de longa duração: obra da vontade de autonomia dos barões de Entre Douro e Minho e da vontade política do seu fundador, Afonso Henriques, obra da vontade nacional colectiva, agarrada pelo refundador, Nun’Álvares, obra da vontade e da necessidade de projecção marítima e imperial de navegadores, conquistadores, aventureiros.

Luís de Camões deu-lhe expressão narrativa, precisamente no tempo em que a Nação entrava numa espécie de Cativeiro da Babilónia, um cativeiro legal e dinástico mas um cativeiro, e sempre assim visto e sentido.

A independência foi restaurada 60 anos depois, resistindo em quase trinta anos de guerra da Restauração à tentativa anexionista da Casa da Áustria. E nos princípios do século XIX, por um levantamento popular e patriótico, voltou a resistir ao poder de Napoleão. Nos finais do século XIX aguentou a corrida a África das grandes potências europeias. E depois, contra as vagas e forças da História, resistiu a 14 anos de guerra.

Os que passámos por esta guerra, ao lembrá-la e celebrá-la, não o fazemos animados por nostalgias imperiais e muito menos imperialistas. Respeitamos os que nos combateram de armas na mão em nome dos seus Estados nascentes; e, sabendo que os que então nos combateram nos respeitam, queremos ser também ser aqui respeitados e não tratados como marionetas de regimes ou serventuários de causas suspeitas.

Por isso, há 25 anos, um núcleo de antigos combatentes lançou a ideia do Monumento aos Combatentes do Ultramar. E, a partir daí, todos os anos, junto ao monumento de Belém, onde estão inscritos os nomes de todos os militares que morreram nessas últimas campanhas de África e da Índia – bem como os que depois morreram ao serviço de Portugal em missões internacionais – alguns milhares de nós lembramos os nossos camaradas mortos ou desaparecidos em combate, cujos nomes ficaram gravados nos muros do monumento.

A cerimónia transcende ideologias – sobretudo ideologias partidárias de que o povo português está cada vez mais distante – e não pretende rever o que a História decidiu. Pretende sim não retirar aos mortos desses 14 anos de guerra, e aos outros que na defesa da pátria foram mortos, o seu lugar na História.

E lembrar que a Pátria, a terra da pátria e os mortos pela pátria, são o património agregador da comunidade e a verdadeira garantia da Liberdade dos portugueses. Uma liberdade que não vem de Bruxelas nem das Nações Unidas, que nunca poderá ser alienada a organismos supranacionais, a federalismos utópicos, a mecanismos de submissão discreta de povos e culturas, ao abrigo de facilidades financeiras e simpatias baratas.

O 10 de Junho dos Combatentes é, e continuará a ser, uma afirmação do patriotismo português, um rito celebrativo da nossa identidade e unidade, numa Europa que hoje também parece despertar para a sua verdadeira natureza e sentido, uma Europa das Pátrias, de Estados Nacionais, soberanos, que voltam a lembrar um passado histórico que tem de ser integrado, tal como também o Cristianismo incorporou as heranças da Grécia e de Roma e criou uma civilização onde a identidade e a independência são condição da Liberdade e das liberdades.

Foi isto que Camões entendeu e registou e que outro poeta maior de Portugal, Fernando Pessoa, veio lembrar e reintegrar no século passado. E os grandes poetas são os melhores intérpretes do espírito do povo, aqueles que, como os antigos arúspices, sabem ler nas entranhas do passado e nos ventos do presente a memória do futuro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O paradoxo de Franco Nogueira e a crise da direita

Jaime Nogueira Pinto
614

A sua passagem do patriotismo liberal ao nacionalismo realista em função da própria evolução da questão nacional pode servir de tema de reflexão e caminho de esclarecimento no momento actual político.

Eleições Europeias

Europeias: a excepção portuguesa

Jaime Nogueira Pinto
168

Em Portugal, por agora, o voto ficou – e, ao que tudo indica, ficará – mais ou menos onde estava. Mesmo se o longínquo fantasma do “regime fascista” já viu melhores dias, ainda é agitado e funciona.

Cristianismo

Nos portais do mistério, com Charles Péguy

Jaime Nogueira Pinto
249

De maioria que éramos, dominante e governante, e por isso até arrogante, nós cristãos, na Europa e no mundo, estamos a ficar minoria e voltámos a ser perseguidos, alvo de atentados, de discriminações.

Crónica

Em Portugal pensa-se pouco Inês Pedrosa /premium

José Diogo Quintela
2.988

Inês Pedrosa é porteira do 10 de Junho e não vai franquear a subida ao púlpito de alguém que meramente “pensa em Portugal”, nem de quem apenas “pensa sobre Portugal”. Não, exige quem “pensa Portugal".

10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos
616

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

Crónica

Portugal, país-slime /premium

Helena Matos
1.256

Estão a ver aquela massa viscosa com que as crianças se entretêm? O slime, claro. Portugal está a tornar-se num país-slime, onde os valores são moldados a gosto e a responsabilidade não  existe.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)