O BE, pela voz de Catarina Martins, reclama que o seu programa eleitoral é social democrata! Será verdade? Não, é uma mentira sem vergonha!

O programa de investimentos públicos é gigantesco, mas tal não é a sua pior característica. O mais complicado são as veladas ameaças de nacionalizações e de reestruturação da dívida pública. Tudo objetivos de extrema esquerda, vagamente, mal disfarçada.

Vejamos a entrevista ao Observador de Catarina Martins: «Vamos pensar na REN, que é o que interessa para o Bloco. O problema não é a capacidade de cada pessoa ter uma propriedade e que tem a ver com a sua vida, mas com o que é de todos, os bens comuns. E o que são bens comuns? São sectores estratégicos da economia, são monopólios naturais. (…) Quem se apropria de um bem comum está, de facto, a retirá-lo ao universo coletivo que o devia gerir.»

Mas há mais: A água, por exemplo, tem de ser um bem comum. Se for privatizada, é um roubo, porque significa que alguém, e já houve quem quisesse fazer isso em Portugal, vai ter um interesse económico na exploração de um bem comum que é não só um bem essencial à vida.[…]”

Mas claro que não é só a água que é essencial à vida, mas também a alimentação e daí Catarina Martins, na sua entrevista, ter-se atirado fortemente à Jerónimo Martins.

O programa de investimentos (coisa «menor»), a nacionalização das águas, da REN, e (pela mesma lógica) das empresas de distribuição não é um programa social democrata.

Acresce que o BE não esclarece onde vai buscar os recursos para nacionalizar enormes sectores da economia, pois a REN vale quase 1% do PIB, a Jerónimo Martins deve valer uns «meros» 5%, etc. Se o BE pretende pagar todas estas nacionalizações pelo seu valor, o orçamento irá ficar parecido com o de 2010 (o tal que “chamou” a Troika), admitindo que alguém lhe emprestaria o dinheiro para tais aventuras. E as regras do Pacto Orçamental serão violadas grosseira e deliberadamente e, portanto, sem desculpa.

Como Catarina Martins pensa que a propriedade é um roubou (“ladrão que rouba a ladrão…), talvez as nacionalizações não sejam para ser pagas, ou seja, seriam realizadas por confisco. As leis europeias (e não só) seriam também grosseiramente violadas.

Mas não há problema afrontar a UE não cumprindo muitas das suas regras mais básicas, pois Catarina Martins pensa que a UE está em desagregação. Ou seja, os partidos de extrema direita da Polónia e da Hungria vão ganhar força. A senhora Catarina Martins terá em Salvini um bom aliado.

Mais, há mais:

“P: O BE tem falado na necessidade de mais investimento público e quer financiar de duas maneiras: reestruturação da dívida e aumento de vários impostos. Gostaria de ver a carga fiscal aumentar mais?
Não, queremos uma carga fiscal mais justa.”

Infelizmente o jornalista não insiste na questão da reestruturação da dívida pública. Mas podemos ver no programa (que sobre este assunto, curiosamente, mete os pés pelas mãos): «se uma reestruturação de dívida pública sob jurisdição nacional não é alcançada por acordo, existe o direito legal da sua imposição pelo Estado.» Ou seja, existe o direito de não pagar!

Penso que todo o texto do Programa é pouco claro, como convém, mas vem na linha da ideia de não pagar a dívida pública, como se os juros não saltassem imediatamente para níveis astronómicos e o exemplo da Argentina não fosse suficiente. (Um dia escreverei sobre o assunto com mais detalhe.)

Concluindo: o programa eleitoral do BE é social democrata? Não é, e tem subjacente tudo o que o BE tem defendido como Bloco de (extrema) Esquerda. É lobo com pele de cordeiro, mostra o oportunismo e populismo do Bloco. O programa desrespeita regras fundamentais da União Europeia e as consequências seriam claras: saída da UE; saída do Euro; ruína financeira do Estado e, por arrastamento, de toda a economia; e desemprego em massa.

A nossa sorte é que não vão ganhar as eleições. E, de facto, o PS precisa de ter uma maioria forte para resistir à “social-democracia” do Bloco.