Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Pela segunda vez numa década, um Governo socialista pede uma intervenção externa porque é incapaz de resolver os problemas que criou. Em 2011, pediu ajuda financeira porque não tinha dinheiro para honrar os compromissos do Estado. Sem a vinda da troika, nesse ano, o Estado português não teria dinheiro para pagar os ordenados dos funcionários públicos e as pensões dos reformados. Como bem sabemos, o Governo de Sócrates demitiu-se e deixou a direita a tirar o país da falência, com o PS na oposição a atacar o Governo que corrigiu o desastre socialista.

Dez anos depois, um Governo socialista volta a pedir ajuda, desta vez apoio médico à Alemanha e à Áustria. A verdade é indiscutível: o Governo foi incapaz de controlar a pandemia. Tal como há dez anos houve uma crise financeira global europeia, também agora há uma crise pandémica global e europeia. Mas, mais uma vez, Portugal é o pior dos europeus. Eis o destino dos governos socialistas: colocar Portugal no último lugar da Europa. O que vale é que existem a União Europeia e a Alemanha para nos ajudarem.

Onde está agora a arrogância do ministro Pedro Nuno Santos, que gostava de ameaçar os alemães durante o período da troika? Recordam-se da frase do PNS, “os alemães que se ponham finos ou não pagamos a dívida?”. O que diz PNS agora a Merkel? Agora faz parte de um Governo que, humildemente, pediu ajuda ao governo liderado por quem ele tanto gostava de atacar. E também já anunciou que a TAP precisa da Lufthansa para se salvar. A esquerda socialista fala muito, mas quando se vê aflita pede ajuda à direita alemã. Sim, à direita, porque a esquerda alemã está a criticar o envio de pessoal médico alemão para Portugal. A solidariedade europeia, afinal, não é um exclusivo das esquerdas.

As esquerdas gostam muito de se orgulhar do “seu” Serviço Nacional de Saúde. Mas o SNS não resistiu a 0,06% da população internada com Covid. É preciso um enorme descaramento, que aliás nunca faltou a este Governo e aos seus aliados, para culpar o Governo de Passos Coelho por causa do colapso do SNS, como já se ouve por aí. As esquerdas governam Portugal desde 2015. E antes, governaram de 2005 a 2011 – e de 1995 a 2002. Está na altura de assumirem as suas responsabilidades. As esquerdas são as culpadas pelo colapso do SNS. O que andaram a fazer todos estes anos? Como investiram o dinheiro dos impostos dos Portugueses? E, entre 2015 e 2020, os orçamentos de Estado receberam o apoio de toda a esquerda.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ou seja, a esquerda nem sequer é capaz de tratar devidamente do sector público. Entre 2011 e 2015, foi um Governo de direita que garantiu que os funcionários públicos e os reformados continuassem a receber salários e pensões. Tal como foi o sucesso desse Governo a permitir que António Costa pudesse repor os cortes, causados pelo desastre socrático. Apesar de toda a propaganda socialista, a direita cuida melhor do sector público do que a esquerda. Por que carga de água Rui Rio não é capaz de explicar isto? O que anda a fazer?

Já aparecerem vozes a pedir um Governo de salvação nacional. É um erro e, mais uma vez, apenas serviria para o PS fugir quando leva o país ao desastre. Não haja qualquer dúvida. À primeira medida difícil e impopular de um Governo de salvação nacional, teríamos o PS, o PCP e o Bloco nas ruas a atacar esse Governo e o Presidente da República. Num Governo de salvação nacional, Marcelo Rebelo de Sousa seria na prática o PM de Portugal e passaria a ser o alvo de todos os ataques das esquerdas. Calculo que o PR não tenha tendências suicidas.

António Costa e o PS devem continuar no Governo. Não podem fugir às primeiras dificuldades. Só assim é que muitos dos Portugueses que votam no PS percebem os custos das suas opções políticas. Deve ser o Governo a resolver os problemas que criou. Não se pode governar apenas quando as circunstâncias são favoráveis.

Compete ao PR aumentar – e muito – a exigência em relação ao Governo. Deve fazê-lo, antes de mais, em relação ao programa de vacinas. O grupo prioritário não pode ser composto pelos familiares e os amigos dos socialistas ou de autarcas de outros partidos.

O que se passou com as vacinas nos últimos dias é uma vergonha. Mostra uma oligarquia política no seu pior, que nem durante uma pandemia terrível tem respeito pelos Portugueses. Só a exigência do PR poderá evitar que o programa de vacinação acabe num novo desastre.

Em segundo lugar, compete ao PR ser muito exigente na forma como o Governo vai gastar o dinheiro do Fundo de Recuperação. Serão pelo menos 12 mil milhões de euros. Não se pode ter qualquer confiança no modo como um Governo socialista gasta fundos europeus. Os Portugueses pagaram um preço muito elevado em 2011, pela incapacidade financeira dos socialistas. O PR afirmou várias vezes na campanha eleitoral que se deve gastar bem o dinheiro e que será mesmo uma última oportunidade para o país.

Tenho uma proposta melhor do que um Governo de salvação nacional. Marcelo Rebelo de Sousa deve exigir uma supervisão independente, criada expressamente para controlar o uso dos fundos europeus, composta por pessoas de elevada competência. Não pode ser o Tribunal de Contas, onde já foi colocado um amigo do Governo, a cumprir esse papel de fiscalização.

O PR deve fazer tudo para que Portugal deixe de ser um Estado falhado. Marcelo tem que ser duro e exigente com o Governo. Os Portugueses ficarão agradecidos. Se não o fizer, os fundos de recuperação serão desperdiçados e Portugal será vítima do maior desastre económico e social desde 1974. Nesse caso, as chamas chegarão a Belém.

P.S. 1: Trabalhei em Bruxelas seis anos e sou emigrante no Reino Unido desde 2013. Voto à direita. Miguel Sousa Tavares acha que pessoas como eu não deveriam votar nas eleições presidenciais. Qual foi o mandato que MST recebeu dos Portugueses para dizer quem deve ou não deve votar, um dos direitos fundamentais de uma democracia?

P.S. 2: Como é possível que Francisco Ramos continue em funções depois de ofender meio milhão de Portugueses só porque discordam dele politicamente? Notem: foi nomeado por um Governo eleito pelos Portugueses.

P.S. 3: Um tribunal alemão condenou a prisão perpétua um militante neo-nazi que assassinou um militante da CDU. O que acham sobre esta decisão todos aqueles que disseram que a prisão perpétua é um retrocesso civilizacional? Acham que a Alemanha, que está a ajudar Portugal a combater a pandemia, está num patamar civilizacional inferior ao português?

P.S. 4: O caso das vacinas aos deputados foi mais um desastre evitável. Mas parece-me óbvio que o PR, o Presidente da Assembleia da República e todos os ministros devem receber a vacina o mais rapidamente possível.