Dia 40 do estado de sítio

É impressionante a preocupação dos “media” nacionais com as vítimas americanas do covid. A Bélgica lidera o “ranking” internacional de mortes/milhão? Os “media” não querem saber dos belgas. A Espanha e a Itália vêm logo a seguir? Que se lixem espanhóis e italianos. E os franceses? Deixá-los esticar o pernil à vontade. Mesmo os portugueses, por acaso conterrâneos dos jornalistas em questão, são assaz desprezados. A aflição do nosso jornalismo está quase toda concentrada nos pacientes dos EUA, pelos vistos encarados como seres humanos superiores, cujo falecimento é um golpe na humanidade e merece notícias e comentários intermináveis. Escrevo “quase” porque os “media” nacionais também se compadecem um bocadinho com as vítimas britânicas e brasileiras. É uma selecção engraçada. Não é uma selecção natural. Mas seria engraçado observar o que a selecção natural faria a esta espécie de “jornalismo”.

Dia 41 

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.