Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Sete motos de polícia e dois carros escoltavam a carrinha que transportava para o Hospital de São José as vacinas contra o Covid. Luzes a piscar, aparato policial dos grandes momentos e um tremendo buraco na estrada: é isto o Portugal presépio da Torre Bela, um país que grita para esconder que mendiga e em que pode faltar tudo menos o aparato.

Na herdade da Torre Bela, em 1975, o revolucionário ocupante de terras gritava ao camponês que tudo, da roupa às ferramentas, era da cooperativa. Em 2020, as redes sociais que assistem mudas à morte dos velhos em lares sem visitas nem tratamento adequado gritam “Chacina!” perante os veados abatidos numa caçada na mesma herdade da Torre Bela. Em resumo, a gritar é que se manda no povo. Em 1975 gritava-se pela Reforma Agrária. Em 2020 pelo fim da carnificina dos animais. Quanto mais se grita menos espaço há para se perguntar. por exemplo, quantas portugueses morreram por causa da recusa do Governo em recorrer aos privados para prestar os cuidados de saúde que o SNS deixou de prestar?

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.