Rádio Observador

Crónica

O regresso do Rei

Autor
  • Luis Teixeira

Os professores acreditam que os 9 anos, 4 meses e 2 dias de tempo de serviço congelado hão-de sair do nevoeiro da dívida e os enfermeiros, que os 68% de aumento hão-de chegar com a maré.

Este maravilhoso país não é muito católico. Há no povo uma propensão para os ritos pagãos que aflora no modo como, ao fervor sagrado, se junta frequentemente o cuidado com as necessidades práticas da vida: da mesma maneira que os selvagens sacrificavam para terem caça abundante, os devotos de Santo António rezam para que os noivos fugidos voltem e os objectos perdidos se achem. Entre essas tendências pagãs que perpassam os dias dos cidadãos deste maravilhoso país conta-se o sebastianismo. O sebastianismo é um culto autóctone que se caracteriza por negar a realidade. Outros cultos imitam a realidade ou visam explicá-la. O sebastianismo propõe-se substituí-la.

O sebastianismo surgiu depois da morte do rei D. Sebastião na batalha de Alcácer-Quibir, em 1578. O atraso na chegada da notícia da morte a Portugal e o facto de o corpo ter sido entregue ao rei espanhol, vários meses depois da batalha, hão-de ter contribuído para que todos, fidalgos e plebe, pusessem em causa que D. Sebastião tivesse de facto morrido no campo de batalha, apesar de todas as evidências em contrário. Não vou discorrer sobre o modo como dessa primeira negação da realidade se passou a uma forma estruturada de evasão. Há muitos trabalhos sobre isso, alguns interessantes. Mas o que agora nos importa é que o sebastianismo não morreu. Ressurgiu regularmente ao longo dos séculos, sempre que a Pátria era confrontada com a dura realidade de um mundo indiferente e escasseavam a esperança e o dinheiro, e conduziu a prodigiosos irrealismos. Parece que, durante as invasões francesas, no início do século XIX, os lisboetas iam, em dias de nevoeiro, juntar-se no Alto de Santa Catarina, tentando avistar as velas dos navios do Encoberto a entrarem a barra. E, no sertão brasileiro, em 1897, os escravos de Canudos foram levados à revolta, fiados em que D. Sebastião voltaria para os libertar, e foram chacinados.

A última versão do sebastianismo que assaltou este maravilhoso país foi a negação da dívida. A dívida, tal como a morte de El-Rei D. Sebastião, é uma mentira. Não existe. Foi inventada pelo inimigo (antes os espanhóis, agora os mercados) para nos fazer trabalhar mais e ganhar menos. O raciocínio desafia os factos e a lógica? Tal como no século XVI, não faltam oportunistas e alguns literatos para dar argumentos e uma capa de seriedade aos impulsos da turba.

As últimas variações desta forma mais recente de sebastianismo são os movimentos reivindicativos de professores e enfermeiros. Os professores acreditam que os 9 anos, 4 meses e 2 dias de tempo de serviço congelado hão-de sair do nevoeiro da dívida e os enfermeiros, que os 68% de aumento hão-de chegar com a maré. Aparentemente, para impor esta realidade alternativa, a única coisa que se exige é acreditar. Com paixão, com raiva, na rua, de braço dado, de punho erguido, de peito esticado. “O povo unido, etc.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Aquecimento Global

Uma terra sem amos

Luis Teixeira

Confesso. Não tenho nada contra campanhas pelo ambiente mas tenho contra os movimentos de “jovens”. A última vez que o Ocidente conheceu grandes movimentos de jovens os resultados não foram brilhantes

Extremismo

Fascismo nunca mais!

Luis Teixeira
1.410

A nossa esquerda radical cultiva abundantemente traços claramente fascistas. O ódio à burguesia. O amor pelos movimentos de massas. A criminalização dos comportamentos. A defesa despudorada da censura

ADSE

A saúde é um negócio

Luis Teixeira
205

Não há nenhuma evidência de que impedir organizações privadas na saúde melhore os cuidados. Pelo contrário: o monopólio estatal traduz-se geralmente em iniquidade, desperdício e nepotismo.

Crónica

Museológica da batata /premium

Tiago Dores

Somos um povo com inclinação para a filosofia, com dotes de abstracção tão bons, tão bons, que acabamos por ser mais fortes a discorrer sobre museus imaginários do que a visitar museus reais.

Crónica

O Verão /premium

Maria João Avillez

Quando as coisas “impossíveis” acontecem é como um certificado: sabemos que podem acontecer e por isso, voltar a acontecer. O desconsolo é maior que o consolo.

Política

A rentrée dos artistas /premium

Luís Reis
651

O PS oferece-nos os piores serviços públicos de sempre a troco de um crescimento anémico e da maior carga fiscal de todos os tempos. E proclama que este é o melhor dos mundos e assim devemos continuar

Crónica

Onde é que há gente no mundo? /premium

Paulo Tunhas

Abre-se um jornal ou vê-se uma televisão e só nos deparamos com doses cavalares de virtude a crédito que clama por integral satisfação e danação eterna dos que escapam à sua jurisdição.

Crónica

I love Portugal /premium

Alberto Gonçalves
2.410

Os portugueses lúcidos, coitados, padecem da esperança de que os portugueses restantes acordem para as delícias da liberdade. Sucede que para os simplórios a liberdade não é deliciosa: é uma ameaça.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)