Há oito dias, numa daquelas erupções emotivas em que é pródigo, o prof. Marcelo subiu a um palco e declarou: “Conseguimos! Portugal tornou-se no país chave da revolução tecnológica!”. O palco era o da Web Summit, uma cerimónia de carácter religioso que decorreu para os lados de Moscavide e na qual ninguém, em nenhum canto do mundo civilizado e do outro, reparou. O extraordinário evento, que não foi noticiado por qualquer “media” a leste de Badajoz e a oeste das Berlengas, serviu para um guru carismático vender bilhetes e camisolas, para o Estado “investir” milhões e para governantes sem vergonha recolherem o aplauso de fiéis em transe. E só.

Portugal talvez seja razoável em matéria de rolhas e chinelos de dedo, mas anda tão distante da revolução tecnológica quanto perto dos resultados de uma lobotomia desastrosa. A coisa não teria sido pior se o prof. Marcelo tivesse visitado o IV Torneio de Columbofilia de Famalicão e decretado que estamos na vanguarda da conquista espacial. Ao contrário do que garante o prof. Marcelo, Portugal não tem os melhores jogadores do mundo, os melhores bombeiros do mundo, os melhores emigrantes do mundo e nem sequer os melhores portugueses do mundo. Em compensação, tem, provavelmente, o presidente mais inverosímil do hemisfério norte. A fechar a Web Summit, o prof. Marcelo, aplaudido de pé, jurou que “não temos medo do futuro, somos imparáveis. Ninguém nos vai parar.” E a seguir chamou os repórteres para, acompanhado do sem-abrigo que fez a descoberta, espreitar o recipiente do lixo onde se encontrou um bebé recém-nascido.

Muitos julgaram perceber um contraste simbólico entre o país que finge ser moderno e o país em que uma mãe deita fora o próprio filho. Julgaram mal. A senhora em causa é estrangeira, crimes terríveis acontecem em toda a parte, e a loucura individual é uma permanência em todos os tempos. Por sorte, a loucura colectiva é menos frequente. Por azar, é uma constante do buraco a que descemos: num ápice, meio mundo decidiu que a responsabilidade pelo bebé atirado ao lixo não é da mãe que tentou o infanticídio, e sim da sociedade, da crise de valores, da crise da bolsa, do capitalismo, nossa, minha e sua. No dia em que eu resolver abalroar com um autocarro o comentador Y por proferir palermices, espero que seja a sociedade a responder em tribunal. A miséria mental da pátria, afastada da inovação tecnológica e próxima da insuficiência cognitiva severa, não se revela no acto isolado de uma senhora desesperada, maldosa ou demente. A chatice é a demência geral que “justifica” e tolera o acto.

Ao invés do que sucede com a tecnologia, estamos perfeitamente aptos a exportar doidice. E os pessimistas, os que acham que não possuímos doidos suficientes, devem pôr os olhos no entusiasmo com que, nos dias seguintes à cimeira das camisolas, inúmeros portugueses saudaram a libertação do sr. Lula, ex-presidente do Brasil e afamado gatuno. Houve canais que transmitiram em directo a missa subsequente. Houve uma “jornalista”, dada a apaixonar-se por trafulhas, que se confessou arrepiada ou assim perante a “força” daquele homem. E houve, inevitavelmente à esquerda, e hoje quase tudo por aqui é esquerda, o tipo de veneração dedicada a um santo, um mártir a que, por uma réstia de pudor, a “inteligência” (não se riam, vá) oficial chama “preso político”.

Desde que haja boa vontade, até o canibal de Milwaukee poderia ser considerado um preso político. No mundo real, fora das alas de psiquiatria, o sr. Lula é um trafulha, que aprovou um gigantesco esquema de corrupção e acabou condenado por ele. Não duvido de que isto, apenas isto, seria suficiente para subjugar a esquerda à sua “força”, por norma indistinguível da delinquência. Porém, o sr. Lula acumula a desonestidade épica com uma boçalidade lendária, que o torna praticamente incapaz de falar a própria língua e de certeza incapaz de assinar o próprio nome. A “inteligência” indígena derrete-se face a um bom troglodita.

Aliás, ainda a “inteligência” não tinha terminado de se derreter com o sr. Lula, passou a dissolver-se de vez com o sr. Morales. O sr. Morales é o presidente deposto da Bolívia, despachado após sabotar eleições. O sr. Morales é também o erudito que atribuiu a homossexualidade dos europeus ao consumo de frango. Ditador, vigarista e chanfrado: era impossível a “inteligência” não apreciar tamanho vulto. Escusado dizer que a “inteligência” nacional é sinónimo da falta dela.

Eis a questão: Portugal está repleto de imbecis, dos quais os maiores percorrem as televisões a dar palpites, e os ligeiros servem de coro nas “redes sociais” (aparentemente, os indivíduos equilibrados vivem no manicómio). São estes chalupas, os melhores chalupas do mundo, que definem a “opinião pública” e traduzem o exacto atraso de vida que permite as infantilidades demagógicas do prof. Marcelo. Ninguém nos vai parar, e o problema é esse.