Rádio Observador

Estado Social

São precisos mais ricos em Portugal

Autor
  • Francisco Coelho
1.099

Estudo da OCDE coloca dedo na ferida. Afinal qual é a ligação da riqueza e justiça social? É que sem ricos ou riqueza não há fontes de rendimento atractivas para as pessoas nem receitas para o Estado

A OCDE tornou público há dias o estudo “Risks That Matter” que examina as percepções das pessoas em relação aos riscos sociais e económicos e a forma como os governos têm gerido esses riscos. Este inquérito foi realizado, em 2018, a 22.000 pessoas em 21 países, incluindo Portugal. Segundo os responsáveis da OCDE o principal objetivo do estudo é “ouvir as pessoas”, para melhor se perceberem as suas preocupações e ansiedades, e também captar as suas percepções sobre as políticas sociais no presente e, em especial, antecipar as suas expectativas futuras no que concerne a essas políticas.

De entre os vários factos interessantes que o relatório revela, há dois que destaco, por se tratarem das duas únicas circunstâncias em que Portugal tem a mais elevada proporção de respostas em torno da opção concordo e concordo totalmente. Quando questionados relativamente ao seu grau de acordo com a afirmação “Muitas pessoas recebem benefícios públicos sem os merecerem”, tradução livre do original “Many people receive public benefits without deserving them”, os resultados são globalmente expressivos mas esmagadores no que a Portugal diz respeito. Quase 90% dos inquiridos concorda com a afirmação, o que coloca Portugal como o país onde este valor é mais elevado entre os 21 países analisados. A Estónia é O país onde esta percentagem foi mais baixa com valores pouco abaixo dos 50%.

Já relativamente à questão sobre se o governo deveria aumentar a carga fiscal sobre os ricos de modo a aumentar o apoio aos pobres, tradução livre da questão:  “Should the government tax the rich more than they currently do in order to support the poor”, os resultados são também esmagadores. Cerca de 80% dos portugueses inquiridos concorda com a afirmação e coloca Portugal como o país em que esta proporção é mais elevada entre todos os países analisados. Também relativamente a esta questão o país com a percentagem mais baixa de resposta em torno da opção concordo foi a Estónia com proporção de cerca de 30% de resposta em torno da opção concordo.

No também recentemente publicado ranking da Forbes sobre os mais ricos do mundo, a revista identificou 2.153 multimilionários (bilionaires na versão Forbes) no mundo. Na lista apenas consta um português: trata-se da senhora Maria Fernanda Amorim e Família, no lugar 379, com activos calculados de 4.8 mil milhões de USD. Este facto, demonstra que existe em Portugal um bilionário por cada 10,5 milhões de habitantes.

A Noruega tem 15 bilionários em 5 milhões de habitantes, o que significa que o rácio é de um bilionário por cada 330 mil habitantes. A Dinamarca tem 10bilionários, isto é 1 bilionário por 500.000 habitantes. Na Finlândia o rácio é de 1 por 900.000 habitantes. A Suíça tem 33 (1 por cada 250 mil habitantes. Até a pequena ilha de Guernsey (para onde emigraram alguns portugueses) tem um bilionário para 60 mil habitantes. As capitalistas Alemanha e EUA tem 114 e 614 bilionários respectivamente. Ou 1 por 700 mil habitantes no caso Alemão e 1 por 500 mil nos caso Americano. E a vizinha Espanha? A Espanha tem 29 bilionários. Um por cada 1.7 milhões de habitantes.

Os países mais ricos são ricos porque têm pessoas com riqueza e que trabalham para criar mais riqueza. Ao fazê-lo geram mais fontes e opções de rendimento para as populações e consequentemente permitem aos governos arrecadar mais receitas, que por sua vez, quando bem administrados, permitem melhores serviços públicos e melhor redistribuição, com almofadas sociais mais generosas.

Portugal. Um dos principais problemas de Portugal é esse. Portugal não tem ricos.

Em Portugal a grande obsessão dos políticos e da política não é acabar com os pobres. A obsessão é acabar com os ricos.

Sem ricos e sem riqueza não há fontes de rendimento atractivas para as pessoas nem receitas para o Estado. E as poucas que há, tendem a ser cobradas às classes médias e distribuídas de forma pouco transparente. Por isso não estranhem que no estudo da OCDE, Portugal seja o país em que os cidadãos têm a percepção de enorme injustiça na distribuição de benefícios públicos e considerem que taxar os ricos (que não existem) seja a solução.

Docente do IPAM

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Segurança Social

Não tinha de ser assim /premium

Helena Matos
871

Em 1974, politicamente bloqueado, o país aguardava que os militares tratassem do assunto. O assunto era o Ultramar. Em 2019, o país está bloqueado de novo. O assunto chama-se Estado Social.

Estado Social

Os três princípios da reta solidariedade

José Miguel Pinto dos Santos
295

Um Estado que faz mal o que deve fazer e deve fazer bem, e que faz ineficiente e deficientemente aquilo que não precisa de fazer, não é um Estado solidário, é um Estado degradante. E degradado.

António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)