Rádio Observador

Pedro Santana Lopes

Um novo rosto para a direita democrática portuguesa?

Autor
  • José Miguel Sardinha
318

Mais do que ninguém Santana Lopes reúne neste momento a capacidade para “federar” as direitas democráticas que andam por aí espalhadas e que ainda não tiveram a oportunidade de ver a luz do dia.

Pedro Santana Lopes acabou de entregar no Tribunal Constitucional a documentação necessária para a constituição do “Aliança” como partido político.

O nascimento do “Aliança” pode vir a constituir um factor importante para o enriquecimento da democracia Portuguesa.

É que a democracia Portuguesa há muito que é dominada por uma cultura política de esquerda.

Os partidos políticos existentes são maioritariamente de esquerda e por isso têm conseguido mediatizar as agendas políticas em seu favor, muito especialmente no que toca aos chamados temas “fraturantes”.

Se a esquerda, em temos político-culturais, tem conseguido uma enorme visibilidade no espaço público, isso deve-se ao facto de a direita democrática Portuguesa ainda não se ter assumido como tal e, consequentemente, deixando o campo completamente aberto à actuação da esquerda, actuação essa que cada vez mais tem vindo a tornar asfixiante a vivência democrática nas sociedades ocidentais por querer subordinar tudo a uma única linha de pensamento político dito “correcto”.

Uma democracia cujo sistema partidário é dominado por partidos políticos de esquerda e em que à direita a marca é a da ausência, é uma democracia pobre.

É, pois, chegada a altura de a direita democrática Portuguesa “sair do armário”, perdendo de vez o medo de se assumir como tal e enfrentar directamente a esquerda por forma a enterrar a imagem diabolizante que essa mesma esquerda no passado soube criar à sua volta.

A direita democrática Portuguesa tem de gritar bem alto o seu compromisso com o Estado de Direito, com a defesa dos direitos fundamentais, com a defesa da soberania e da identidade cultural do País, com a segurança dos seus cidadãos e com a garantia da economia de mercado e da livre iniciativa privada.

Ao Estado estará reservado o papel (fundamental) de assegurar que todos estes valores não sejam postos em causa por quem quer que seja.

Por isso, cabe à sociedade civil (ainda deficitária em Portugal) desenvolver o País, criando a riqueza necessária para fazer de Portugal uma sociedade feliz, porque sociedades pobres são e serão sempre sociedades tristes e enfadonhas.

Não é o Estado que gera riqueza e emprego, mas sim as empresas privadas enquanto expressão de uma economia de mercado ancorada numa sociedade civil livre.

E sem uma sociedade civil livre não há verdadeira democracia.

Assim, se, ao que tudo parece indicar, a “Aliança”  for fiel depositária destes valores, este novo partido político tem potencialidade para poder vir a “federar” a direita democrática Portuguesa – a direita liberal, a direita social-cristã e a própria direita conservadora (por que um verdadeiro conservador não é um reaccionário), num grande projeto político reformador do País.

Podem apontar muitos defeitos a Pedro Santana Lopes, mas há uma virtude que todos terão de lhe reconhecer e que é precisamente a de lutar por aquilo em que acredita.

Mais do que ninguém Santana Lopes reúne neste momento a capacidade para “federar” as direitas democráticas que andam por aí espalhadas e que ainda não tiveram a oportunidade de ver a luz do dia, unindo-as em torno de um projeto reformador nacional.

Se a “Aliança” conseguir ser o rosto da direita democrática Portuguesa, a nossa democracia sairá certamente mais enriquecida e, esperemos, o próprio País.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Portugal: como sair deste impasse?

Pedro Santana Lopes
1.020

Se temos tantas necessidades, orçadas em milhares de milhões de euros, mas se a economia não cresce o suficiente, nem os impostos esticam mais, como fazer?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)