Caso Vistos Gold

Um voto para 2019

Autor
  • Rita Fontoura
141

No nosso País um canalha cuja intenção não se possa provar é uma vítima do Ministério Público e do julgamento público e, coitado, deixa de poder fazer canalhices no lugar que ocupava

Começamos o ano com a notícia do julgamento do caso Vistos Gold em que um ex-ministro e outros senhores com cargos importantes estavam envolvidos. Estou de facto saturada de ouvir a mesma notícia, dita da mesma maneira, seja qual for o meio de comunicação social que escolha. Neste caso, em tudo o que li e ouvi a relevância foi dada à absolvição do ex-ministro, ao falhanço do Ministério Público (MP) e à adjectivação de “canalhices” usada pelo ilustre político acusado, para classificar o que lhe aconteceu.

Do meu ponto de vista, para além da notícia, que deve ser relatada como um facto que ocorreu, tudo o que já não é facto e que remete para o domínio da opinião, revela a pobreza de valores com que hoje se tratam as situações da vida do nosso País.

Os principais julgados que foram absolvidos total ou parcialmente, na opinião do Juiz, agiram de forma incorrecta do ponto de vista moral. Usando a linguagem de um deles, posso concluir que foram “canalhas” mas não se conseguiu provar que tivessem intenção de ser canalhas. No nosso País um canalha cuja intenção não se possa provar é uma vítima do MP e do julgamento público e, coitado, deixa de poder fazer canalhices no lugar que ocupava ficando apenas com o domínio da actividade privada para as suas canalhices.

Este modelo de procedimento é ainda mais grave quando não existem tribunais envolvidos porque nesses casos nem o lugar que ocupam é posto em causa. Por exemplo um deputado que faz a canalhice de receber subsídios duplicados a que não devia ter direito, mantém a confiança do seu partido e o seu lugar no parlamento. O que muda é a forma como se passará a atribuir subsídios para que seja talvez mais difícil ser-se canalha no parlamento.

Outro exemplo (há tantos que o difícil é escolher) é a canalhice de fingir que se vai ao Parlamento para ganhar o valor da presença. Para esta acção são precisos dois canalhas: o que falta e o que regista a presença. Nos casos já conhecidos ambos mantém a confiança dos seus partidos e portanto continuam a exercer as suas funções. A consequência deste procedimento será uma eventual maior fiscalização do registo dos deputados que custará mais dinheiro público e que servirá apenas para pôr as mesmas pessoas a pensar na maneira de ludibriar o novo método e assim manter a canalhice.

Quando os princípios e a ética deixam de ser critério, as actividades nas esferas do poder enchem-se de canalhas. São eles que fazem as leis, que escolhem os decisores, que aplicam ideologias perversas, que afastam quem faz o bem, que se impõem sobre a livre iniciativa.

Normalmente nestes casos o percurso é progressivo até chegar à fase do descaramento. Pelo caminho fica a apatia de um povo. Aumenta o afastamento da política, o desânimo, e alastra a canalhice a toda a sociedade. É assim que vai o nosso Portugal.

Que 2019 possa ser o ano em que saibamos abrir os olhos e lutar por uma sociedade onde a honra, a seriedade, a procura do bem comum e a verdade voltem a ser padrões que nos guiem. Ainda vamos a tempo.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

Isto é gente que não sabe onde votar!

Rita Fontoura
208

Não quero ouvir dizer mal dos outros. Estou farta! Quero saber em concreto o que fariam se fossem governo. E não digam balelas, tragam ideias novas e programas verosímeis.

Aborto

A defesa da vida

Rita Fontoura

Sendo o tema da defesa da vida tão relevante, aquilo que verdadeiramente o tornou interessante para a comunicação social foi o facto de o Patriarcado de Lisboa ter publicado os resultados.

Paris

A Páscoa, o Papa e a Notre Dame

Rita Fontoura
197

A Europa está a arder por dentro e infelizmente não há quem possa garantir que, quando o fogo acabar, será reconstruída desde que existam os fundos. Na Europa somos nós os incendiários e os bombeiros.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)