Pais e Filhos

“Valorize a paixão onde quer que a encontre”. O grito de otimismo de Berry Brazelton

Autor

Para os pais, descobrir o seu bebé é, certamente, o maior desafio de toda a sua vida. João Gomes-Pedro escreve sobre o legado de Berry Brazelton: um grito de otimismo pelos bebés e pelas famílias.

“Valorize a paixão onde quer que a encontre”, um dos princípios do Modelo Touchpoints criado por Berry Brazelton. É este grito de optimismo que transparece de toda a obra de Berry Brazelton legado que nos cabe honrar, nomeadamente, na Missão que inspira a Fundação Brazelton/Gomes-Pedro para as Ciências do Bebé e da Família.

Para os pais, descobrir o seu bebé é, certamente, o maior desafio de toda a sua vida. Descobre-se o que se quer conhecer.

É nesse processo de descoberta que reside o mistério em muitas das expressões do destino de cada criança, mais tarde feita adulto, cidadão do mundo e recriador dum novo ciclo existencial. Mercê de todas as incessantes descobertas científicas, os pais reconhecem, hoje, que este mistério é ganho ou perdido logo muito cedo, quando o bebé aparece e transforma, por exemplo, o que era, então, só casal, em família.

A descoberta do bebé representa, essencialmente, fazer a viagem pela diferença, identificando, logo às primeiras horas de vida, o temperamento, as forças, as fraquezas, as emoções, as competências desse pequeno alguém que tudo mobiliza, que todos influencia, que em todos transforma sonho em paixão.

Acredito que um dos principais papéis dos profissionais da saúde e da educação e, de uma maneira muito especial, do pediatra, é o de funcionar como guia, proporcionando aos pais essa viagem de um modo mais partilhado e mais competente e, deliberadamente também, de modo não intrusivo.

A consulta pré-natal e, sobretudo, a avaliação do bebé em presença dos pais, no período pós-natal imediato, são oportunidades de excelência para fazer apetecer aos pais e, eventualmente, aos outros membros mais chegados da família, os caminhos intermináveis dessa descoberta.

O bebé, mais do que uma referência social, é a referência afectiva da família.

No paralelo do conhecimento científico mais especializado em cada uma das dimensões do desenvolvimento infantil, é cada vez mais fundamentada e creditada a noção de que é no contexto de cada identidade, individuada e partilhada, que se constrói o vínculo da pertença e o sinal de coerência que essa pertença assume quando de cada passo da descoberta se reforça o afecto e se constroem as expectativas dum destino.

O primeiro passo da descoberta do bebé faz conhecer à mãe que dos dois bebés extremos que quase sempre a fantasia da mulher grávida constrói, ela, de facto, tem à sua frente o seu bebé real, mais ou menos bochechudo, mais ou menos risonho, mais ou menos comilão, mais ou menos dorminhoco, porém, o seu bebé, por quem se vai apaixonar e a quem vai dedicar parte da sua vida.

Cada mãe, cada pai tem à sua frente o bebé da sua vida para quem é preciso assegurar o melhor futuro com um sucesso creditável em toda a família.

Excerto do Livro de João Gomes-Pedro, Pensar a criança sentir o bebé, ed. In

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Dia do Pai

Ser pai é fazer de super-homem

Eduardo Sá
11.419

Ser pai é, ao deitar um filho, adormecer quase sempre antes dele. E sentir a sua mão no nosso cabelo. Para saber se estamos ali. E descobrir que, se isso não é o céu, não falta muito para estar perto.

Televisão

Os noivos, as mães deles, as tv e quem os vê

Eduardo Sá
27.920

Incomodam-me as mães que parecem querer uma cozinheira, uma amante ou outra variante de mulher para o seu filho, demitindo-se de o impedir de fazer figuras que o vão ridicularizar para sempre.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)