Logo Observador
Startups

ANJE procura melhores startups portuguesas para participar em encontro mundial

319

A Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE) está até ao final de agosto à procura das melhores startups portuguesas para participarem na estreia nacional no TechMatch Global.

© Lara Soares Silva

A Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE) está até ao final de agosto à procura das melhores startups portuguesas para participarem na estreia nacional no TechMatch Global, um dos principais encontros mundiais entre investidores e empreendedores.

À agência Lusa, a ANJE anuncia que é a entidade responsável “pela estreia das startups portuguesas num dos mais importantes encontros globais entre investidores e startups”, o TechMatch Global, que decorre em Bratislava, Eslováquia, entre 12 e 16 de outubro, e de cujo programa faz parte, entre várias outras iniciativas, um prémio de 300 mil dólares.

Assim, até ao final do mês de agosto, a associação está à procura das melhores empresas portuguesas com este perfil, que depois se vão juntar às 60 startups de vários pontos do mundo que vão integrar o programa de cinco dias da iniciativa, que pela primeira vez se realiza fora de Silicon Valley.

Depois, em Bratislava, será feito o encontro entre “os empreendedores e um grupo de classe mundial: 20 investidores corporativos, cinco multinacionais e cinco “venture capitals” de Silicon Valley”.

“Trata-se de um programa intensivo, mas estruturado, que envolve um exigente processo de seleção e um vasto conjunto de oportunidades. A participação, por si só, além de habilitar os empreendedores a um prémio significativo e a um investimento, será já um reconhecimento muito importante, um selo que promete abrir portas”, considera o presidente da ANJE, João Rafael Koehler.

A associação vai apresentar à organização do TechMatch uma lista de 12 startups, sendo a seleção final feita em setembro por um grupo de investidores de Silicon Valley, que vêm a Portugal para apurar os três ou quatro finalistas portugueses.

Entre os critérios para a seleção está alguma tração de mercado, propriedade intelectual defensível e inovação disruptiva e com relevantes vantagens competitivas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

Viva o turismo

João Marques de Almeida
584

Os “novos aristocratas” acham que têm privilégios especiais. Passam a vida inteira a viajar, mas nunca são turistas. As massas da classe média viajam pouco, mas se o fazem são logo turistas detestados

Governo

Estado de calamidade

Manuel Villaverde Cabral

Continua tudo como dantes: o país está entregue ao clientelismo governamental, dependente do crescimento externo e condenado à dívida. Esta é que é a calamidade que explica as outras calamidades.