Logo Observador
Morte

Paragem cardíaca causa morte de aluna em Sintra

184

Uma aluna do 6º ano caiu insconsciente numa escola de Sinta teve morte cerebral em consequência de uma paragem cardíaca, revelou a autópsia.

MAFALDA LEITAO / LUSA

Autores
  • Elsa Araújo Rodrigues
  • Agência Lusa

Uma rapariga, com 11 anos de idade, da escola básica D. Pedro IV em Monte Abraão, Queluz, Sintra, morreu depois de uma queda acidental na escola, noticia o jornal Público.

A aluna de 11 anos que foi encontrada inconsciente numa escola de Monte Abraão, concelho de Sintra, teve morte cerebral em consequência de uma paragem cardíaca, revelou esta quinta-feira a direção clínica dos Centros Hospitalares de Lisboa Norte (CHLN).

A autópsia ao corpo permitiu perceber que a rapariga sofreu uma paragem cardíaca que evoluiu para morte cerebral e que “não havia qualquer sinal de trauma, nem foi esta a causa de morte”.

Antes dos resultados da autópsia serem conhecidos, chegou a dizer-se que a queda tinha tido acontecido na sequência de um desentendimento com uma colega. Os esclarecimento agora prestados pela direção clínica dos CHLN confirmam o comunicado anteriormente divulgado pelos responsáveis do agrupamento escolar Miguel Torga, onde referiam que a morte da aluna aconteceu “na sequência de um acontecimento repentino ocorrido na escola, durante o primeiro intervalo da tarde de segunda-feira”.

Os bombeiros de Queluz informaram que receberam a chamada de emergência às 15h15 e saíram um minuto depois tendo chegado ao local às 15h19 e quando a equipa de socorro chegou ao local, um colaborador do estabelecimento escolar estaria já a realizar as manobras de reanimação.

O Ministério da Educação afirmou que a aluna teve assistência médica ainda na escola e foi transportada de urgência para o Hospital de Santa Maria, onde permaneceu em coma na unidade de cuidados intensivos, acabando por morrer na quinta-feira.

Segundo a direção clínica dos CHLN, a aluna “foi vítima de paragem cardíaca na sua escola” e a situação “evoluiu para morte cerebral devido ao tempo prolongado de paragem cardíaca”.

Em comunicado enviado às redações, o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, lamentou a morte da aluna do 6º ano da Escola Básica 2,3 D. Pedro IV, esclarecendo que foi “prestada assistência ainda na escola, foi transportada de urgência para o Hospital de Santa Maria, na passada segunda-feira.” Para além disso o Ministério informa que “a turma e a família estão a ser acompanhadas pelos órgãos da escola, incluindo o Conselho Geral e Direção, bem como pela psicóloga do Agrupamento.”

O documento termina com Tiago Brandão Rodrigues a enviar “as condolências à família” garantindo que acompanha as diligências para apurar as causas da morte desta aluna de 11 anos.”

Notícia atualizada às 22h35m.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Catolicismo

Medjugorje: solução à vista?

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Para um cristão a investigação sobre as supostas aparições de Medjugorge faz sentido, pois deve conhecer a solidez das suas convicções e estar preparado para responder a quem lhe pedir razão da espera

Venezuela

O drama da comunidade portuguesa na Venezuela

Daniel Bastos

A falta de segurança e o caminho que a Venezuela parece seguir rumo ao abismo estão a levar muitos emigrantes a regressarem para Portugal, sendo já notório que há cada vez mais a voltarem à Madeira.

Família

Guerra e Paz

Margarida Alvim

Há muitas famílias assim. Conjuntos de pessoas que vivem debaixo do mesmo tecto. Os pais sabem de todos, mas cada irmão sabe de si. A razão só pode ser uma: falta de confiança. E falta de amizade.

Catolicismo

Medjugorje: solução à vista?

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Para um cristão a investigação sobre as supostas aparições de Medjugorge faz sentido, pois deve conhecer a solidez das suas convicções e estar preparado para responder a quem lhe pedir razão da espera

Terrorismo

O respeitinho é muito bonito, mas pouco eficaz

Alberto Gonçalves
211

É injusto generalizar? Com certeza. Mas a aversão a generalizações, ou o respeito trémulo pelo islão, não tem corrido bem. Quando o resultado da reverência é este, talvez valha a pena tentar a afronta