Logo Observador
Polónia

Polónia. Mulheres em greve contra proibição total do aborto

279

Um protesto levado a cabo por milhares de mulheres polacas paralisou o país esta segunda-feira. As mulheres vestiram-se de preto e fizeram greves em protesto contra a proibição do aborto.

AFP/Getty Images

Milhares de mulheres polacas protestaram esta segunda-feira contra uma nova lei que visa proibir totalmente o aborto na Polónia. Durante o protesto, inspirado pela greve das mulheres na Islândia de 1975, as manifestantes percorreram as ruas da capital, Varsóvia, vestidas de preto e passaram o dia sem ir trabalhar, estudar e até sem fazer tarefas domésticas.

A ser aprovada, esta lei contra a qual as mulheres polacas lutam deverá proibir definitivamente o aborto, em todas as circunstâncias. As mulheres que interrompam voluntariamente a gravidez serão punidas com cinco anos de prisão, e os médicos que assistam nos processos também poderão ser sancionados, relata a BBC. Atualmente, o aborto é proibido na Polónia, com apenas três exceções: quando está em perigo a vida da mulher; quando há o risco de danos irreversíveis para o feto, e quanto a gravidez resultar de uma violação ou de incesto.

Uma das manifestantes, ouvida pela BBC, explica que o governo quer “introduzir uma lei anti-aborto que significa que, em muitos casos, as mulheres serão sentenciadas à morte. Vai tirar-lhes a sensação de segurança que têm, as opções de tratamento que estão disponíveis quando a gravidez põe em risco as suas vidas ou a sua saúde”.

A proibição total do aborto é apoiada pela Igreja Católica e pelo partido que está atualmente no poder. A 23 de setembro, o parlamento polaco decidiu que a lei irá ser discutida por uma comissão parlamentar, e foi esta decisão que motivou a organização da greve. “Muitas mulheres neste país sentiram que não têm nenhum poder, que são iguais, que não têm direito a uma opinião”, explicou ao The Guardian uma das organizadoras do protesto, Magda Staroszczyk.

Estatísticas referidas pela BBC revelam que o número de abortos ilegais na Polónia é substancialmente superior ao de interrupções legais — entre 10 mil e 150 mil ilegais para cerca de mil ou dois mil abortos legais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Polónia

‘Nós queremos Deus!’

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
1.024

A Igreja católica foi a única instituição que apoiou e defendeu os polacos no seu processo de libertação do comunismo.

Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.