Polónia

Polónia. Mulheres em greve contra proibição total do aborto

279

Um protesto levado a cabo por milhares de mulheres polacas paralisou o país esta segunda-feira. As mulheres vestiram-se de preto e fizeram greves em protesto contra a proibição do aborto.

AFP/Getty Images

Milhares de mulheres polacas protestaram esta segunda-feira contra uma nova lei que visa proibir totalmente o aborto na Polónia. Durante o protesto, inspirado pela greve das mulheres na Islândia de 1975, as manifestantes percorreram as ruas da capital, Varsóvia, vestidas de preto e passaram o dia sem ir trabalhar, estudar e até sem fazer tarefas domésticas.

A ser aprovada, esta lei contra a qual as mulheres polacas lutam deverá proibir definitivamente o aborto, em todas as circunstâncias. As mulheres que interrompam voluntariamente a gravidez serão punidas com cinco anos de prisão, e os médicos que assistam nos processos também poderão ser sancionados, relata a BBC. Atualmente, o aborto é proibido na Polónia, com apenas três exceções: quando está em perigo a vida da mulher; quando há o risco de danos irreversíveis para o feto, e quanto a gravidez resultar de uma violação ou de incesto.

Uma das manifestantes, ouvida pela BBC, explica que o governo quer “introduzir uma lei anti-aborto que significa que, em muitos casos, as mulheres serão sentenciadas à morte. Vai tirar-lhes a sensação de segurança que têm, as opções de tratamento que estão disponíveis quando a gravidez põe em risco as suas vidas ou a sua saúde”.

A proibição total do aborto é apoiada pela Igreja Católica e pelo partido que está atualmente no poder. A 23 de setembro, o parlamento polaco decidiu que a lei irá ser discutida por uma comissão parlamentar, e foi esta decisão que motivou a organização da greve. “Muitas mulheres neste país sentiram que não têm nenhum poder, que são iguais, que não têm direito a uma opinião”, explicou ao The Guardian uma das organizadoras do protesto, Magda Staroszczyk.

Estatísticas referidas pela BBC revelam que o número de abortos ilegais na Polónia é substancialmente superior ao de interrupções legais — entre 10 mil e 150 mil ilegais para cerca de mil ou dois mil abortos legais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site