Logo Observador
Holocausto

YOLOCAUST. Uma crítica a quem ri no memorial da morte nazi

7.536

Shahak considera "muito desrespeitosa" a forma como alguns turistas se comportam nos memoriais ao Holocausto. Por isso decidiu satirizar as fotos que tiram para as redes sociais. Nasceu "YOLOCAUST".

YOLOCAUST” é um projeto do ilustrador satírico Shahak Shapira que mistura as fotografias tiradas pelos turistas no Memorial aos Judeus Mortos da Europa com as imagens históricas dos campos de exterminação nazi. Estima-se que esse memorial em Berlim receba cerca de 10 mil pessoas por dia, mas a maior parte costuma captar fotos animadas – aos saltos, com bicicletas ou a rir-se com os amigos – entre os 2.711 blocos de cimento espalhados pela infraestrutura com 19 mil metros quadrados.

Shahak Shapira vê com estranheza que os turistas se comportem deste modo num lugar que simboliza a morte de 6 milhões de judeus em câmaras de gás ou vítimas das torturas a que foram sujeitos pelos soldados ao comando de Adolf Hitler. No site onde está a colocar as montagens, o ilustrador israelita ressalva que “nenhum evento histórico se compara ao Holocausto” e que “nós é que sabemos como nos devemos comportar num memorial que marca a morte de tanta gente”. Ainda assim, “a forma como algumas pessoas se comportam é bastante desrespeitosa. Mas as vítimas estão mortas, por isso provavelmente estão mais ocupadas a fazer as coisas que os mortos fazem do que a preocuparem-se com isso”, brinca.

Todas as imagens usadas por Shahak Shapira estavam em público em redes sociais como Facebook, Instagram, Tinder ou Grindr. Qualquer pessoa “apanhada” pela sátira do ilustrador pode pedir para que a imagem seja retirada: basta enviar um email para “undouche.me@yolocaust.de”. Um pormenor: “undouche me” significa algo como “desidiota-me”.

Veja as imagens na fotogaleria.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Auschwitz

Recordando Simone Veil (e tudo o que lhe devo)

Maria João Avillez
215

Memórias de um jantar e de uma entrevista a Simone Veil, do seu olhar azul claro como um rio, da sua serenidade que quase camuflava a mulher forte, a espantosa inteligência, a coragem como assinatura.

Holocausto

Pio XII, o Papa dos judeus

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
407

Durante a perseguição nazi contra os judeus, o Padre Joaquim Carreira, então reitor do Pontifício Colégio Português, em Roma, tudo fez para os defender, seguindo o exemplo do Papa Pio XII.

Incêndios

Eu vivi um fogo. E vi quem são os heróis

Fernando Leal da Costa

Foi então que os vi. Os populares, como se lhes chama tantas vezes, montados em tratores e pick-ups equipados com depósitos e mangueiras. Chegam e, sem medo, atiram-se ao monstro que crepita fagulhas.