Logo Observador
Terrorismo

Pai de atacante do aeroporto de Orly libertado e irmão e primo continuam detidos

O pai do homem abatido no sábado no aeroporto de Orly, perto de Paris, depois de ter atacado um militar, foi libertado na noite de sábado e o irmão e o primo continuam detidos para interrogatório.

CHRISTOPHE PETIT TESSON/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O pai do homem abatido no sábado no aeroporto de Orly, perto de Paris, depois de ter atacado um militar foi libertado na noite de sábado e o irmão e o primo continuam detidos para interrogatório, foi hoje anunciado.

Segundo fontes judiciais, citadas pela Efe, os investigadores estão a tentar determinar as motivações do atacante identificado como Ziyed Ben Belgacem – de nacionalidade francesa e nascido em Paris – que depois de ter disparado contra uma agente num posto de controlo da polícia numa zona a norte de Paris se deslocou para a zona sul da capital até ao aeroporto de Orly, onde agrediu e derrubou a arma a uma militar do dispositivo antiterrorista.

Depois de ter disparado contra a polícia, segundo um procurador, Belgacem telefonou ao pai e ao irmão e disse-lhes: “Fiz um disparate, disparei contra uma polícia”.

Nas buscas do domicílio do agressor, na localidade de Garge les Gonesse, a mesma onde disparou contra a agente, foi encontrada uma pequena quantidade de cocaína e por isso os investigadores tentam determinar se terá consumido drogas.

Belgacem, que tinha antecedentes criminais por roubo à mão armada e por tráfico de estupefacientes, tinha sido vigiado pelos serviços secretos franceses por se ter radicalizado na prisão.

Contudo, buscas ao domicílio de Belgacem em 2015 não tiveram quaisquer resultados preocupantes e por isso não ficou referenciado pelos serviços secretos.

Durante o ataque à militar no aeroporto de Orly, Belgacem afirmou aos outros membros da patrulha: “Tirem as armas, estou aqui para morrer por Alá, de qualquer forma vai haver mortos”. Posteriormente, foi abatido.

Quem é o francês que roubou a arma a uma militar no aeroporto de Orly?

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Londres

O 22 de Março

Gonçalo Dorotea Cevada
112

Ontem estava em Londres e o pânico que senti não foi diferente do medo que tive a 22 de Março de 2016 quando estava em Bruxelas. Tenho medo de morrer mas não posso nem quero deixar de viver.

Terrorismo

Londres e a irrealidade

Paulo Tunhas
601

O que se sabe de certeza certa é que o canibalismo islamista voltou a atacar. Como sabemos o que vem a seguir: a exibição ritual de piedade genérica e avisos contra a ameaça da “deriva islamofóbica".