Logo Observador
União Europeia

União Europeia volta a advertir Turquia de que com pena de morte não haverá adesão

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, reafirmou este domingo que o restabelecimento da pena de morte na Turquia, que Ancara admite, impede uma adesão do país à União Europeia.

OLIVIER HOSLET/EPA

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, reafirmou este domingo que o restabelecimento da pena de morte na Turquia, que Ancara admite, impede uma adesão do país à União Europeia (UE).

“Se a pena de morte for reintroduzida na Turquia, isso levará ao fim das negociações (…) É uma linha vermelha”, disse Juncker à edição de domingo do tabloide alemão Bild.

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse no sábado esperar que o parlamento aprove a reinstauração da pena de morte após o referendo constitucional de 16 de abril, que reforça os poderes presidenciais.

Jean-Claude Juncker recusou no entanto suspender desde já as negociações com a Turquia, que se arrastam há anos.

“É uma falsa questão. Não faz sentido querer acalmar as coisas suspendendo negociações que de qualquer maneira não se estão a realizar”, disse.

Se a adesão da Turquia fracassar, isso dever-se-á não aos europeus, mas “à falta de vontade dos turcos de aplicar os padrões europeus””, disse.

O ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Sigmar Gabriel, afirmou numa entrevista à Der Spiegel também publicada este fim de semana que “a adesão da Turquia à UE está mais distante que nunca” e que Bruxelas devia enveredar por um processo que conduzisse a uma parceria reforçada, comparável ao futuro estatuto do Reino Unido após a saída da UE.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
França

A França, o homem doente da Europa

Rui Ramos
371

O futuro da União Europeia não se decide na Grécia ou no Reino Unido, mas em França, o novo "homem doente da Europa": é aí que a integração europeia se pode consertar ou quebrar de vez.

Presidenciais em França

Macron, um Presidente sozinho

Alexandre Homem Cristo

O que há a festejar na (quase certa) eleição de Macron, na segunda volta, para além do facto de ele não ser Le Pen? Nada. Ele é um homem sozinho e sem força política para reformar uma França decadente

Polémica

PHDA e metilfenidato: mitos e realidade

SPDA

Sociedade Portuguesa de Défice de Atenção 
responde a vice-presidente da Ordem dos Psicólogos sobre hiperatividade, défice de atenção e consumo de metilfenidato em Portugal.