Logo Observador
Caixa Geral de Depósitos

CGD: Todos os portugueses terão acesso a balcões

O ministro das Finanças, Mário Centeno, afirmou-se esta sexta-feira, em Bruxelas, "completamente seguro" de que todos os portugueses terão acesso a serviços bancários da Caixa Geral de Depósitos.

No âmbito do processo de recapitalização da CGD, a administração do banco público deverá encerrar cerca de 70 balcões

STEPHANIE LECOCQ/EPA

O ministro das Finanças, Mário Centeno, afirmou-se esta segunda-feira, em Bruxelas, “completamente seguro” de que todos os portugueses terão acesso a serviços bancários da Caixa Geral de Depósitos (CGD) depois do processo de reestruturação da rede de agências.

À saída de uma reunião dos ministros das Finanças da zona euro, Centeno, ao ser questionado sobre se está em condições de garantir que a CGD vai manter balcões em todos os concelhos do país, respondeu que “a ideia que vai ser debatida seguramente em Portugal é a de que a Caixa saia do processo de recapitalização e de reestruturação fortalecida e capaz de ter um serviço bancário de grande qualidade e de apoio às Pequenas e Médias Empresas e às famílias portuguesas”. “A dimensão espacial é seguramente uma dimensão relevante, e estou completamente seguro que todos os portugueses vão ter acesso a serviços bancários também através da CGD”, declarou.

No âmbito do processo de recapitalização da CGD, a administração do banco público deverá encerrar cerca de 70 balcões até ao final do ano, estimando-se que a redução de agências atinja as 180 no final de 2020 – uma reestruturação que tem levantado dúvidas ao PCP, Bloco de Esquerda e “Os Verdes” e que conta já com a oposição do PSD.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt