Logo Observador
Leitura

Plano Nacional de Leitura até 2027 com aposta na literacia científica e digital

446

O Plano Nacional de Leitura para os próximos dez anos vai apostar na "literacia científica e digital" para crianças e adultos e incluirá bibliotecas escolares e instituições de ensino superior.

O Plano Nacional de Leitura foi criado em 2006 pelo Governo, para melhorar os níveis de literacia e leitura dos portugueses

ALEXANDRA COUTO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Plano Nacional de Leitura (PNL) para os próximos dez anos vai apostar na “literacia científica e digital” para crianças e adultos e incluirá bibliotecas escolares, instituições de ensino superior e Centros Ciência Viva, revelou o Governo esta quinta-feira. O Conselho de Ministros aprovou as linhas orientadoras para o Plano Nacional de Leitura até 2027, que será implementado e monitorizado por uma comissão presidida por Teresa Calçada e Elsa Maria Conde.

“Privilegia-se no PNL 2027 uma política interministerial, com uma aposta clara na literacia científica e digital e na interação com outras esferas de conhecimento, como a artística, privilegiando sempre a abordagem inclusiva das práticas de leitura”, lê-se no comunicado do Conselho de Ministros.

O Plano Nacional de Leitura foi criado em 2006 pelo Governo, para melhorar os níveis de literacia e leitura dos portugueses. Na primeira década de atividade, o projeto envolveu a realização de estudos, trabalho de promoção do livro e da leitura em todos os agrupamentos de escolas, envolvendo municípios, a Rede de Bibliotecas Escolares, professores, bibliotecários, pais e alunos. Uma das faces mais visíveis do PNL foi a criação de listas anuais de livros, recomendados para leitura para diferentes níveis letivos e em contexto escolar e familiar.

Para a próxima década, o Governo anuncia que quer consolidar o que fez nos primeiros anos e desenvolver novas vertentes, envolvendo “as famílias e a população em geral”.

A comissão interministerial a ser presidida por Teresa Calçada e Elsa Maria Conde estará dependente do Ministério da Educação, em articulação com as tutelas da Cultura e da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Na proposta de Orçamento do Estado para este ano, o Governo já anunciara que o PNL seria relançado por mais dez anos no âmbito de uma “política pública na área do Livro e da Leitura” e em articulação com aqueles três ministérios.

Na primeira década, o Plano Nacional de Leitura foi coordenado, primeiro, por Isabel Alçada e, depois, por Fernando Pinto do Amaral.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Leitura

O diabo está nos planos e nos lapsos informáticos

Maria João Marques
205

Mas por que diabo o Estado tem de recomendar leituras aos pobres cidadãos menores para os seus tempos livres? A que propósito uma escola manda os alunos lerem o livro tal e tal nas férias de Natal?