Arte

Sul-africano William Kentridge vence Prémio Princesa das Astúrias das Artes

O artista sul-africano William Kentridge, "um dos artistas mais completos e inovadores do panorama internacional", foi distinguido com o Prémio Princesa das Astúrias das Artes 2017.

Joerg Carstensen/EPA

O artista sul-africano William Kentridge, “um dos artistas mais completos e inovadores do panorama internacional”, foi distinguido com o Prémio Princesa das Astúrias das Artes 2017, foi anunciado esta quinta-feira.

William Kentridge transmite na obra artística “emoções e metáforas relacionadas com a história e a realidade do seu país, mas que também as transcendem”, lê-se na ata do júri, reunido esta quinta-feira em Oviedo, Espanha.

No entender do júri, o trabalho do autor sul-africano, nascido em Joanesburgo em 1955, “deixa importantes questões sobre a condição humana, conjugando temas nos quais predomina a investigação puramente poética e estética com os de conteúdo sociopolítico”.

O trabalho do artista, “meticuloso e profundo”, estende-se à pintura, desenho, colagem, fotografia, escultura, videoarte, encenação para teatro e ópera.

Na última década, viu a obra artística ser celebrada em museus como o Louvre, em Paris, e o Museu de Arte Moderna de Nova Iorque.

Em outubro terá uma exposição no Museu Reina Sofía, de Madrid.

Em Portugal, a obra de William Kendrisge está representada, por exemplo, na Coleção Berardo e na Fundação Caloustte Gulbenkian.

O artista sul-africano expôs pela primeira vez em Portugal em 2005, com a instalação “Viagem à Lua/Sete Fragmentos para Georges Méliés/O Dia pela Noite”, no Museu do Chiado, em Lisboa, no âmbito do Festival Temps d’Images.

Anos antes, Kentridge encenou em Lisboa a ópera “Confessions of Zeno” (2003) e “Faustus in Africa” (2000).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Autárquicas 2017

Falar de André Ventura

Alexandre Homem Cristo

Ventura está a ser sobrevalorizado – enquanto candidato e, mais ainda, enquanto intérprete de novos rumos para a direita. Um erro que, perante a tentação de leituras nacionais, será importante evitar.

Estados Unidos da América

Carta da América

João Carlos Espada

Na América, está em curso um vigoroso renascimento conservador-liberal. Conseguirá a vaga conservadora em gestação na Europa acompanhar a linguagem liberal e anti-estatista da sua congénere americana?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site