Banco de Portugal

Governador afasta diretor que quis promover a administrador no Banco de Portugal

O governador do Banco de Portugal tinha proposto Rui Carvalho para a administração, mas acabou por afastá-lo depois de saber de investigação do Ministério Público relacionado com o caso BES.

Carlos Costa é o governador do Banco de Portugal, a entidade de supervisão bancária

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Quatro meses: este foi o tempo que passou entre a proposta do governador do banco central para passar Rui de Carvalho de diretor a administrador e a decisão de o afastar desse cargo. Uma decisão que, avança o Jornal de Negócios, tomada por Carlos Costa quando teve conhecimento de que um funcionário do Departamento de Mercados e Gestão de Reservas (DMR) a cargo daquele diretor estaria a ser investigado pelo Ministério Público por indícios de utilização de informação privilegiada em 2014 com venda de acções do BES, dois dias antes da resolução do banco.

Na sequência desta informação, o governador não só desistiu da intenção de promover o diretor a administrador como o afastou da liderança do departamento – Rui Carvalho passou assim a trabalhar como consultor do Banco de Portugal. A proposta inicial de Carlos Costa, que defendeu insistentemente o seu nome para a nova equipa de administradores, decorreu durante o agitado processo de nomeação da nova equipa. Um dos pelouros que lhe seria atribuído, conta o mesmo jornal, seria gestão financeira da instituição.

Rui Carvalho é descrito como um alto quadro da entidade de supervisão bancária, com experiência na gestão de operações de mercado e liquidez. Na negociação de nomes com o Governo, o governador acabou por desistir e, em Abril manteve Rui Carvalho como director. E agora, para se poupar a mais embaraços, passou-o a consultor.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

O futuro do trabalho

Inês Santos Silva

Já há bots a resolver multas de trânsito, algoritmos a escolher tratamentos para cancro ou a selecionar profissionais. Próximas décadas serão desafiantes, mas há dois vetores a precisar de trabalho.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site