Uber

Uber tem de tratar condutores como seus funcionários, decide tribunal londrino

288

Tribunal em Londres deliberou que a Uber não pode dizer que os condutores são funcionários independentes. É o segundo golpe para a empresa, em Londres, no espaço de poucos meses.

WILL OLIVER/EPA

Um tribunal em Londres deliberou que a Uber não pode dizer que os condutores são funcionários independentes, rejeitando um recurso apresentado pela multinacional em que rejeitava que os condutores pudessem ser considerados empregados da empresa. É o segundo golpe para a empresa, em Londres, no espaço de poucos meses, depois de o regulador dos transportes da capital britânica se ter recusado a renovar a licença da empresa para operar na cidade — uma decisão que também está a ser alvo de recurso.

A decisão anunciada esta sexta-feira é uma derrota jurídica para a Uber, que não conseguiu reverter a decisão anterior de um tribunal que tinha ido no mesmo sentido. O caso começou quando dois condutores da Uber, James Farrar e Yaseen Aslam (em representação de um conjunto mais alargado), que exigiram da Uber o pagamento do salário mínimo e outros benefícios legalmente previstos como as férias pagas.

A Uber advoga — não só em Londres mas em todo o mundo — que não tem responsabilidades para com os condutores porque apenas disponibiliza a app de telemóvel que coloca em contacto os condutores e as pessoas que precisam de transporte. Os condutores trabalham, na ótica da empresa, por conta própria (ou ao serviço de outras empresas).

Mais de meio milhão de pessoas assinam petição pela manutenção da Uber em Londres

Londres é um dos principais mercados mundiais para a Uber — o maior fora dos EUA — mas a deliberação lança dúvidas sobre as perspetivas da empresa no Reino Unido. Mesmo depois de perder este recurso, a empresa pode (e deverá) recorrer novamente para o Tribunal de Recursos e o caso pode ir até ao Supremo Tribunal. Ou seja, este processo ainda pode durar anos, dizem os juristas ouvidos pelo Financial Times.

Para a Uber, esta diferença entre “funcionários” e “condutores independentes” é absolutamente crucial do ponto de vista jurídico, já que se os condutores forem considerados funcionários da Uber isso obrigará a empresa a assumir o pagamento dos subsídios e férias (além dos outros benefícios normais previstos na lei) aos mais de 40 mil condutores que trabalham no Reino Unido. Além disso, a empresa teria também de pagar mais impostos ao Estado e contribuições para a Segurança Social.

“Quase todos os condutores de taxi e transporte privado são trabalhadores independentes há décadas, muito antes de a nossa app existir. A principal razão por que os condutores preferem a Uber é porque valorizam a liberdade de escolher se, quando e onde conduzem”, afirmou o diretor-geral da Uber no Reino Unido, confirmando a intenção de recorrer.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site