Legionela

Ministro considera que o surto de legionela está controlado

Adalberto Campos Fernandes afirmou, em relação ao surto de legionela que afetou o hospital CUF, que este entrará agora em fase descendente. Esta sexta-feira, o número de casos subiu para 15.

Tiago Petinga/LUSA

O ministro da Saúde afirmou esta sexta-feira que está estabilizado o surto de doença do legionário do hospital CUF Descobertas, afirmando que, a partir de março, o Governo pretende ajudar os hospitais a “apertar a malha” no controlo da bactéria legionela.

Em declarações aos jornalistas após acompanhar o Presidente da República numa visita ao hospital onde ainda estão internados sete doentes que estiveram em contacto com a legionela, Adalberto Campos Fernandes afirmou que o surto entrará agora na fase descendente, tendo atingido o número máximo de casos — quinze.

A partir de março estará em curso um plano, a que todos os hospitais que quiserem podem aderir, com vista a ajudá-los a fazer melhor o que já fazem em “prevenção e deteção precoce” de riscos de contágio com a legionela.

Adalberto Campos Fernandes referiu que o risco nunca será zero, mas é para aí que tem que se dirigir e o plano servirá para “apertar a malha um pouco” e garantir que as instituições de saúde, que já têm os seus próprios mecanismos de controlo, estão “motivadas e orientadas” para as aplicar.

Apesar de ser privado, o CUF Descobertas já manifestou a vontade de aderir a este plano, acrescentou o ministro, referindo que a legionela pode atacar em qualquer lugar, independentemente “do direito das instituições”.

“O dispositivo de saúde pública funciona”, garantiu, afirmando que pode fazer-se mais, como o Governo defende na proposta de lei para “retomar os mecanismos de prevenção suprimidos em 2014”.

Quanto à explicação para o surto do CUF Descobertas, considerou que seria precipitado avançar com conclusões antes de terminado o trabalho da Inspeção Geral das Atividades da Saúde e da Entidade Reguladora da Saúde na reconstituição do contágio.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ministério da Saúde

A Venezuela aqui tão perto

Mário Amorim Lopes
106

O Ministério da Saúde, após banir as malfadadas chamuças e os vis rissóis dos hospitais aponta agora as baterias às farmácias, em particular àquelas que — imagine-se o despautério — praticam descontos

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site