Deficiência

A lição que nos dá Charlie Gard

Autor

Não podemos ignorar que hoje muitos países, a começar pelos mais ricos e “avançados”, têm políticas estruturadas de incentivo à eliminação sistemática, usando o aborto, de crianças com deficiência.

Charlie Gard — o mundo ficou a conhecer esta criança de onze meses que padece de grave e raríssima deficiência. É difícil conceber uma pessoa mais vulnerável e carente de protecção. Graças ao amor sem medida e à tenacidade dos seus pais, Connie Yates e Chris Gard, a sua sobrevivência mobilizou milhares de pessoas (que se denominaram “exército de Charlie”), fez recolher as necessárias e avultadas quantias monetárias, despertou a atenção da comunicação social, suscitou pareceres das maiores autoridades científicas de vários países, desencadeou a intervenção do Papa Francisco e de políticos tão diferentes como Donald Trump e Matteo Renzi.

É verdade que se ouvem opiniões diversas da parte de pessoas de indiscutível autoridade no plano científico e ético sobre várias questões: saber se Charlie está a sofrer (os pais, secundados por médicos, mas contra o parecer de outros, dizem que não e que não aceitariam que tal sucedesse), saber quais as suas reais hipóteses de sobrevivência, saber se, e em que medida, a terapia experimental proposta será eficaz, saber se, e até que ponto, a ventilação mecânica que o mantém em vida configura uma medida útil e proporcionada (não uma obstinação terapêutica) face à sua situação.

Seja como for, um pressuposto que nestes juízos será sempre inaceitável é o de que a vida de Charlie, por ser marcada pela deficiência, e por mais grave que seja esta, tem menos valor. A eventual justificação para não manter em vida Charlie poderá ser a inelutabilidade da sua morte a breve trecho (inelutável será sempre, como a de qualquer pessoa), mas nunca a menor dignidade, ou a menor “qualidade” (seja qual for o sentido deste expressão) da sua vida. Nenhuma medida, terapêutica ou de simples cuidado deixará de ser útil ou proporcionada apenas porque a vida que assegura será marcada pela deficiência, por mais grave que esta seja. E, perante o valor incomensurável de uma vida humana, de qualquer vida humana, não valem cálculos de custos.

Não há vidas menos dignas, não há “vidas indignas de ser vividas”, a vida não perde dignidade em função de critérios de menor “qualidade”.

São os pais de crianças com a mesma doença de Charlie que conseguiram sobreviver, ou de outras com doenças igualmente graves, que o dizem e testemunham: essas crianças podem ser tão felizes como as outras, porque podem amar e ser amadas, mesmo com todas as suas limitações.

Não podemos ignorar o que se passa hoje em muitos países, a começar pelos mais ricos e supostamente “avançados”: há políticas estruturadas de incentivo à eliminação sistemática, através do aborto, de crianças com deficiência. A Islândia já atingiu o objetivo que a Dinamarca também já se propôs: nenhuma criança com trissomia 21 nasce nesse país, devido ao recurso ao aborto.

Neste contexto, e por contraste, a mobilização em torno da vida de Charlie Gard (cujo desfecho ainda é incerto no momento em que escrevo) dá-nos uma preciosa lição. Cada pessoa tem um valor imenso, é única e irrepetível, é sempre um dom para os seus pais e para toda a sociedade. O mais pequeno, débil e limitado dos seres humanos merece a atenção e a solidariedade de todos. A vida de uma qualquer criança, como a de Charlie Gard, justifica a mobilização de cidadãos anónimos, de jornalistas, de políticos, de cientistas, do mundo inteiro.

Presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Prostituição

Um trabalho para as filhas dos outros

Pedro Vaz Patto
1.163

Quando se fala na legalização da prostituição como se de um qualquer outro trabalho se tratasse (o “trabalho sexual”), ninguém certamente pensa nas suas filhas, pensa sempre nas filhas dos outros.

Eutanásia

Ajudar a morrer ou ajudar a viver

Pedro Vaz Patto
128

Quem sofre graves deficiências, e também quem é solidário e lhes presta assistência e apoio, precisa de força, coragem e esperança. É isso que a sociedade lhes deve proporcionar. A morte não é solução

Trissomia 21

Não me limitem!

Laurinda Alves
1.272

O vídeo “Não me limitem!” é muito eloquente do potencial de crianças e jovens com Síndrome de Down, pois deita por terra muitos preconceitos. Acima de tudo pulveriza medos e revela capacidades.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site