Rádio Observador

Literatura

Mário de Sá-Carneiro, o romântico incurável

222

Passam esta segunda-feira 124 anos sobre o nascimento de Mário de Sá-Carneiro. Bastaram-lhe 25 anos para que Pessoa o considerasse “génio da arte”.

D.R.

Autor
  • Sara Otto Coelho

Génio na arte, não teve Sá-Carneiro nem alegria nem felicidade nesta vida. Só a arte, que fez ou que sentiu, por instantes o turbou de consolação. São assim os que os Deuses fadaram seus. Nem o amor os quer, nem a esperança os busca, nem a glória os acolhe”.

A 19 de maio de 1890 nascia, em Lisboa, Mário de Sá-Carneiro. Foi há 124 anos, um número demasiado grande se tivermos em conta que a curta vida do poeta terminou aos 25 anos pelas suas próprias mãos. É quase impossível falar sobre Sá-Carneiro sem mencionar Fernando Pessoa, que lhe dedicou o poema anterior em 1924, oito anos após o seu suicídio. Não só porque foram grandes amigos, mas porque Mário de Sá-Carneiro terá sido a primeira pessoa em Portugal a reconhecer o génio de Pessoa. O que não é dizer pouco.

“Às vezes é preciso um génio para descobrir outro génio”, diz o historiador Rui Ramos, ao Observador. Há 217 cartas e postais enviados por Sá-Carneiro a Pessoa, muitas com rasgados elogios à escrita do poeta (as cartas de resposta enviadas a Sá-Carneiro perderam-se no tempo). Até aos anos 70 Sá-Carneiro era considerado melhor poeta do que Fernando Pessoa. “Correspondia àquele modelo romântico do poeta sincero, que diz o que sente, enquanto Pessoa era um poeta mais intelectual”, explica Rui Ramos. O mesmo escreve João Gaspar Simões, na História da Poesia Portuguesa do Século Vinte: “o que em Fernando Pessoa estava pensando, em Mário de Sá Carneiro sentia apenas”. É a partir das décadas de 70 e 80 que o “jogo intelectual de Pessoa começa a ser valorizado, por oposição ao perfil trágico de Sá-Carneiro, que se encaixava melhor na concepção romântica”. Para Rui Ramos, este era mais acessível, mais genuíno, ao contrário das várias personalidades de Fernando Pessoa.

Ambos percursores e símbolos do Modernismo em Portugal, só o tempo lhes fez justiça. Em 1915 publicaram o primeiro número de uma revista trimestral de literatura que, com apenas dois números, ficaria na história. A revista Orpheu causou choque na literatura da época, pela escrita e correntes artísticas vanguardistas, e só mais tarde obteve o reconhecimento que merecia. Por vezes, “aquilo que de verdadeiramente importante acontece num momento só o futuro o pode reconhecer”, diz ao Observador Fernando Cabral Martins, professor de Literatura Portuguesa na Universidade Nova de Lisboa e editor em Portugal de todos os livros de Sá-Carneiro, à exceção dos volumes de correspondência. Pode a atenção a Mário de Sá-Carneiro estar a fazer agora o caminho descendente, ou será que ainda há espaço para o romantismo? Fernando Cabral Martins escolhe a última hipótese. “Creio que Sá-Carneiro é um poeta que ainda pode comunicar perfeitamente com os nossos contemporâneos: é sensível e determinado, apaixonado e temerário”.

Foi triste, muito triste, amigo a tua sorte —
Mais triste do que a minha e mal-aventurada
…Mas tu inda alcançaste alguma coisa: a morte,
E há tantos como eu que não alcançam nada…”

Ainda no liceu, Sá-Carneiro escreveu, em colaboração com Thomaz Cabreira Júnior, a peça Amizade, mas o seu grande amigo suicidar-se-ia no ano seguinte, em 1911. Impressionado, dedicou-lhe no mesmo ano o poema A Um Suicida, de onde foi retirada a quadra anterior. Cinco anos mais tarde, seria a vez de Mário se suicidar. Mas, apesar dos seus 25 anos, alcançou muita coisa, do teatro à poesia, do romance à revista Orpheu.

Não chegou a alcançar o curso universitário, mas pouco importa. À época, os filhos de boas famílias seguiam a tradição de estudar Direito, e foi o que fez, em 1911, na Universidade de Coimbra, transferindo-se no ano seguinte para Paris com o intuito de continuar os estudos. Mas como pode uma alma criativa, na capital mundial da arte, do lazer, em plena Belle Époque, enfiar a cabeça em legislatura? O estudante nunca concluiu o curso, provável culpa da boémia a que se entregou e aos conflitos internos que o corroíam. Sá-Carneiro suicidou-se em Paris, a 26 de abril de 1916, depois de várias ameaças registadas nas cartas a Fernando Pessoa.

É difícil antecipar como poderia ter evoluído a escrita, mas Rui Ramos acredita que “talvez Sá-Carneiro pudesse ter sido o grande ficcionista da sua geração, algo que faltou à Orpheu”. Mais conhecido como poeta, é no entanto em prosa que está escrita uma das suas maiores obras, A Confissão de Lúcio. “Como prosador, talvez nunca tenha tido tempo para desenvolver as suas capacidades, nota-se que é uma obra de juventude, com um toque de literatura fantástica do século XIX, mas ao mesmo tempo muito interessante”, disse o historiador.

Em 2016 assinala-se o centenário da morte de Mário de Sá Carneiro. Ainda é cedo para antecipar comemorações, mas a Direção-Geral do Livro e das Bibliotecas adiantou, ao Observador, que está a preparar uma exposição sobre o autor na Torre do Tombo, em Lisboa, à semelhança do que foi feito com a exposição comemorativa do Centenário da República.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)