Mundial 2014

Uma aplicação que permite escolher onde encontra apoiantes para um jogo de futebol

Ver um jogo de futebol acompanhado por apoiantes do mesmo clube ou seleção é mais emocionante. Uma aplicação desenvolvida por alunos permite escolher o melhor sítio, mas conta com a sua colaboração.

Sofrer ou celebrar, o importante é que seja em grupo

FRANCISCO LEONG/AFP/Getty Images

O futebol é um desporto coletivo, não só quando se joga, mas também quando se assiste. Por isso, se espalham ecrãs gigantes pelas cidades e nos cafés há horas em que só se admite futebol. Apesar de coletivo, também é competitivo e é preferível estar num local onde todos (ou quase) apoiem a mesma equipa. Para o ajudar a descobrir qual o melhor local onde assistir aos jogos do Mundial de Futebol 2014, dois alunos da Universidade de Lisboa (UL) desenvolveram a aplicação “Onde há bola”.

Alojada no portal Sapo Labs, a aplicação criada por Denís Graña e José Sebio, no âmbito do mestrado em Engenharia Informática, da Faculdade de Ciências da UL, tem como objetivo “indicar os locais onde se pode assistir aos jogos deste acontecimento mundial, bem como o número de pessoas que estão a apoiar cada uma das equipas, em cada um desses locais”, lê-se em comunicado de imprensa.

Os dois alunos espanhóis, em Portugal ao abrigo do programa Erasmus (mobilidade interuniversitária), escolheram criar esta aplicação em parte pela necessidade que ambos tinham em encontrar um local onde pudessem assistir aos jogos da seleção espanhola, disse ao Observador Francisco Couto, professor no Departamento de Informática e coordenador da disciplina do mestrado, Aplicações na Web. Esta disciplina pretende incentivar a capacidade de criatividade e inovação dos alunos na “aplicação de novas abordagens tecnológicas na resolução de problemas reais que possam ter impacto na sociedade”, lê-se no comunicado.

Onde ha bola_PE VIIEsta aplicação utilizou a localização de cafés disponibilizada pelos sites FourSquare e Google Places, mas já acrescentou algumas localizações mediante pedido, esclareceu Francisco Couto. O apoio dos fãs também é importante. Cada pessoa pode escolher onde irá ver o jogo e indicar que equipa vai apoiar nesse local. Esta tarde, pela hora do almoço, o Parque Eduardo VII, onde está localizado um ecrã gigante, contava com oito apoiantes de Portugal e ainda nenhum da Alemanha.

Criada por alunos do primeiro ano do mestrado, a aplicação pode ser desenvolvida como tese de mestrado durante o segundo ano e incluir mais informações sobre os cafés onde é possível ver o jogo, como o tipo de ecrã presente, ou permitir que sejam os próprios cafés a colocar informação.

Francisco Couto deu ainda outro exemplo – o aluno de mestrado Carlos Barata que no ano passado criou uma aplicação Mundo em Pessoa – para detetar as citações de Fernando Pessoa nas redes sociais (temporariamente inativa) -, está a desenvolver a aplicação Lusica – para recolha automática, também nas redes sociais, de citações de músicas de artistas de língua portuguesa.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)