A Câmara do Porto anunciou para quarta-feira o início de novas obras na avenida da Boavista, entre as ruas Guerra Junqueiro e António Cardoso, onde a partir de 02 de julho, e até novembro, o trânsito deixará de circular.

Esta quarta fase da requalificação da maior via urbana do Porto foi antecipada para “provocar menos impactos no ano escolar” e, numa fase inicial, apenas implica o “condicionamento de meia faixa até à Rua José António da Costa”, esclarece a autarquia em comunicado.

“A partir do dia 02 de julho irá efetivar-se o corte total de trânsito (sem impedimento de acesso às garagens, a cargas e descargas) para toda a fase 4”, acrescenta a Câmara do Porto.

Devido ao impedimento da circulação, as viaturas que descerem a avenida em direção à Foz vão ser obrigadas a seguir pela rua João de Deus e descer a rua de Pedro Hispano até voltarem à avenida da Boavista.

No sentido contrário, o desvio será feito “pelas ruas António Cardoso, António Patrício e Guerra Junqueiro, desembocando na avenida”, acrescenta a autarquia.

“Apesar do fim da requalificação estar previsto para novembro, nessa altura novamente com um considerável volume de tráfego provocado também pelo regresso das aulas, a Câmara do Porto tudo fará para minimizar os constrangimentos de trânsito”, refere a autarquia no comunicado.

O perfil dos trabalhos previstos para esta fase da empreitada “são idênticos aos já realizados”, incluindo “levantamento dos pavimentos existentes, substituição das redes existentes de águas pluviais com a colocação de tubagem em betão armado, substituição da rede de águas residuais e de abastecimento de águas, substituição das atuais redes de baixa e média tensão por parte da EDP e instalação de novas redes de semaforização”.

Estão ainda previstas alterações ao nível do mobiliário urbano, “com a substituição da atual rede de iluminação pública” e colocação de “novas colunas de iluminação”, bem como o enterramento dos “contentores para a recolha seletiva de resíduos”.

O pavimento dos passeios e das faixas de rodagem vai ser substituído, vão ser construídas baias de estacionamento, prevendo-se ainda a “execução de um pequeno separador central em granito, execução de duas ciclovias em cada um dos sentidos e a colocação de árvores também de cada um dos lados da avenida”.

“A partir da rua Belos Aires, e com o alargamento do perfil da avenida, o separador passará a incorporar uma zona ajardinada”, revela a autarquia.

Em abril o município iniciou a terceira fase da empreitada de recuperação da avenida, entre as ruas de Agramonte e Guerra Junqueiro, assegurando que até julho a circulação de trânsito naquele troço seria sempre “realizada em meias faixas, de forma a garantir a circulação nos dois sentidos” daquela artéria.

Na altura, a Câmara esclareceu que a beneficiação de toda a avenida ficaria concluída em 2015, após mais três fases de obra: entre as ruas Guerra Junqueiro e António Cardoso, entre António Cardoso e Bessa Leite e entre esta rua e a de O Primeiro de Janeiro.

O troço nascente da avenida da Boavista, esteve entre junho e novembro de 2013 cortado ao trânsito entre a Rotunda da Boavista e o cruzamento com a rua de Agramonte.

O troço poente da avenida foi recuperado em 2008, numa obra que custou à autarquia 800 mil euros.