Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) vai lançar um alerta, nesta quinta-feira, sobre o risco de deflação que paira sobre a economia da zona euro e pedir ao Banco Central Europeu (BCE) que pondere recorrer a medidas de injeção de liquidez na economia semelhantes às que foram adotadas pela Reserva Federal norte-americana com o objetivo de combater aquela ameaça e estimular o crescimento. O alarme consta de um documento, a que o Financial Times (FT) teve acesso, em que é feita uma avaliação da economia da moeda única e se sugere à autoridade monetária de Frankfurt a compra em “larga escala” de títulos de dívida soberana de países da zona.

A análise do FMI, prossegue o jornal britânico, será apresentada pela diretora-geral da instituição, Christine Lagarde, aos ministros das Finanças da zona euro durante um encontro que decorre no Luxemburgo nesta quinta-feira. Embora reconheça que a União Europeia assumiu iniciativas políticas “fortes” que permitiram o arranque da retoma económica após a crise das dívidas soberanas no bloco da moeda única, o FMI sublinha que os níveis da dívida e do desemprego se mantêm “demasiado elevados”, podendo constituir um obstáculo ao regresso a uma taxa de crescimento “robusta”.

O Fundo regista de forma positiva as medidas tomadas pelo BCE a 5 de junho, mas acrescenta que as decisões do conselho de governadores podem não ser suficientes. O documento, ainda segundo o FT, considera que a inflação na zona euro está “preocupantemente baixa”, o que prejudica a procura e o crescimento. “Se a inflação persistir a um nível baixo, o BCE devia considerar a possibilidade de lançar um programa de aquisição de ativos em larga escala”, o que daria um impulso à “confiança, melhoraria a situação financeira das empresas e das famílias e estimularia o crédito bancário”, afirma o FMI.

Em maio, a inflação na zona euro foi de 0,5%. Este nível, recorda o FT, representa um quarto do valor alvo do BCE que é de 2%. Portugal regista variações negativas no respectivo índice de preços há quatro meses consecutivos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR