Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os portugueses foram os principais responsáveis pelo crescimento da atividade hoteleira, em abril. As dormidas “fora” de quem vive em Portugal aumentaram 36,9% em comparação com o mês anterior e ultrapassaram um milhão de registos, segundo os dados divulgados esta quarta-fera pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

No total, o setor cresceu 25,4% face a março e atingiu 3,9 milhões de dormidas. Os proveitos totais dos estabelecimentos também cresceram 20,3% e atingiram 168,7 milhões de euros, em abril. A Páscoa, que se celebrou em abril, a sua proximidade com o feriado do feriado de 25 de abril e as 50 antecipações na abertura sazonal dos estabelecimentos hoteleiros, foram alguns dos motivos que sustentaram o crescimento da atividade, segundo o INE.

“Foi a melhor Páscoa dos últimos anos para o turismo em Portugal e comprova que a nossa aposta de promoção via meios de comunicação social, via ‘online’, via redes sociais e via companhias aéreas e operadores turísticos é mais eficaz do que as antigas promoções institucionais que se faziam e a que, hoje, os turistas pouco ou nada ligam”, adiantou Adolfo Mesquita Nunes, secretário de Estado do Turismo, à agência Lusa.

Os estrangeiros continuam a ser os principais clientes da hotelaria portuguesa, com as dormidas a ascenderem aos 2,8 milhões em abril, mais 21,3% do que no mês anterior. Os turistas chegaram, sobretudo, de Espanha, que duplicou a sua representatividade no setor: a fatia espanhola dos clientes estrangeiros passou de 6,9% em abril de 2013 para 12,8% no mesmo mês do ano seguinte. Em abril de 2014, a estadia de espanhóis em estabelecimentos hoteleiros aumentou 123,7%.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os turistas procuraram, sobretudo, o continente para passar férias em abril, com o Algarve a concentrar 36,9% das dormidas de estrangeiros e Lisboa 28,9%.

Brasil, Irlanda e Reino Unido são os países que se seguem. Em abril, o setor registou um crescimento de 48,5% nas dormidas de brasileiros,  outro de 24,6% nas de irlandeses e de 16,2% na dos ingleses. O Reino Unido detém agora uma fatia de 22,3% no mercado hoteleiro.

Os turistas procuraram, sobretudo, o continente para passar férias em abril, com o Algarve a concentrar 36,9% das dormidas de estrangeiros e Lisboa 28,9%. Mas não foram os únicos. O Algarve foi a região do país com maior registo de dormidas de residentes em Portugal, cerca de um milhão. No total, as dormidas nos estabelecimentos hoteleiros do Algarve cresceram 34% para cerca de 1,3 milhões de dormidas.

Contudo, a região onde este indicador mais cresceu foi o Alentejo, com um aumento de 44,9% nas dormidas. A manutenção da refinaria de Sines, que envolveu vários trabalhadores que não residiam na região, foi o factor que contribuiu para este crescimento, segundo o INE. No total, a estadia média aumentou 3,2% em abril, para 2,79 noites.

Para Adolfo Mesquita Nunes, os primeiros quatro meses do ano foram “muito melhores” para o turismo do que o já “muito positivo ano de 2013”. “Nós estamos a crescer acima da média da Europa, da Europa Mediterrânica e do mundo. Estamos a ganhar quota de mercado de forma substancial”, disse o secretário de Estado do Turismo à agência Lusa.

Em abril,  Espanha  obteve um crescimento de 15,9% das dormidas, quase 10 pontos percentuais abaixo da evolução de 25,4% registada em Portugal, referiu o governante.