Rádio Observador

Arte

Feira de arte contemporânea estreia-se no Estoril a partir de quinta-feira

O desenho será o tema central da Est Art Fair -- International Contemporary Art Fair, uma feira que conta com a presença de 35 galerias, maioritariamente estrangeiras.

A feira conta com a presença de 35 galerias

PAULO NOVAIS/LUSA

A primeira edição da Est Art Fair -International Contemporary Art Fair abre na quinta-feira e decorrerá durante quatro dias, no Centro de Congressos do Estoril, com a presença de 35 galerias, segundo a organização. As galerias presentes são estrangeiras, na maioria, grande parte de Espanha e de mais oito países – Brasil, Colômbia, França, Alemanha, México, Reino Unido e Estados Unidos, além de Portugal.

O projeto, que conta com o apoio da Câmara Municipal de Cascais, foi anunciado em maio do ano passado e, no início deste ano, foi divulgado o grupo curatorial da Est Art Fair, composto pelos portugueses Delfim Sardo e Filipa Oliveira, e ainda pelo brasileiro Moacir dos Anjos, curador-geral, em 2010, da Bienal de Arte de São Paulo. A feira – destinada a especialistas, colecionadores e ao público em geral apreciador de arte – pretende, segundo a organização, realizar-se anualmente, no início de cada mês de julho, no Estoril.

A par das galerias, a programação paralela irá apresentar nove “Solo Projects” de artistas apresentados por galerias, a exposição “Desenhar o Mundo/Drawing the World”, com 18 trabalhos, e ainda uma série de “Art Talks”, com especialistas do mundo da arte. O desenho será o tema central da feira, este ano, e proposto às galerias participantes “como prática ampla que atravessa os diferentes media da arte contemporânea e configura práticas artísticas flexíveis”.

A Est Art Fair 2014 tem como membros do seu Comité Internacional de Seleção de Galerias, Barbara Thumm (Galerie Barbara Thumm, Berlim, Alemanha), Eduardo Brandão (Galeria Vermelho, São Paulo, Brasil), Pedro Maisterra (Galeria MaisterraValbuena, Madrid, Espanha), Pedro Oliveira (Galeria Pedro Oliveira, Porto, Portugal) e Vera Cortês (Vera Cortês Art Agency, Lisboa, Portugal).

As galerias participantes são AdHoc Galeria (Vigo), Galerie Air de Paris (Paris), Galerie Barbara Thumm (Berlim), Galeria Belo-Galsterer (Lisboa), Carlos Carvalho – Arte Contemporânea (Lisboa), Casa Triângulo (São Paulo), Galeria Casas Riegner (Bogota), Christopher Grimes Gallery (Santa Monica, EUA), Cristina Guerra Contemporary Art (Lisboa).

Entram ainda a Galería Formato Cómodo (Madrid), a Galeria Fernando Santos (Porto), a Galeria Filomena Soares (Lisboa), a Galeria Fonseca Macedo – Arte Contemporânea (Ponta Delgada/Açores), a Galería F2 (Madrid), a Galeria Graça Brandão (Lisboa), a Galerie Gregor Podnar (Berlin) e a Galeria Jaqueline Martins (São Paulo).

João Esteves de Oliveira – Galeria de Arte Moderna e Contemporânea (Lisboa), a Galería Juan Silió (Santander), a Kurimanzutto (Ciudade do México), a KubikGallery (Porto), a MaisterraValbuena (Madrid), a Malborough Contemporary (Londres), a Módulo — Centro Difusor de Arte (Lisboa), a Moises Perez de Albeniz (Madrid), a Nara Roesler (São Paulo), a Galería Nuble (Santander) também fazem parte da lista.

Marcam ainda presença a Galeria Pedro Cera (Lisboa), a Galeria Pedro Oliveira (Porto), a Galeria Presença (Porto), a Galeria Quadrado Azul (Porto), a Galeria Rafael Ortiz (Sevilla), a Schleicher/Lange (Berlim), a Vera Cortês Art Agency (Lisboa) e a Galeria Vermelho (São Paulo). Na quinta-feira, a abertura é para convidados e, nos dias 11 a 13 de julho, é aberta também ao público em geral, entre as 15:30 e as 21:00.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)