Crise no GES

CMVM suspende as ações do BES da negociação na bolsa de Lisboa

Comunicado do supervisor do mercado de capitais revela que a decisão se manterá até ser prestada "informação relevante".

"Holding" que detém 25,1% do BES suspendeu as ações da negociação em Lisboa e no Luxemburgo

José Carmo / Global Imagens

O conselho diretivo da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) “deliberou, nos termos do artigo 214º e da alínea b) do n.º 2 do artigo 213º do Código dos Valores Mobiliários, a suspensão da negociação das ações do Banco Espírito Santo”, refere uma comunicação do supervisor do mercado de capitais publicado no respectivo site. A decisão será mantida, adianta a comunicação, “até à divulgação de informação relevante sobre o emitente”.

O artigo 214 daquele diploma estabelece que a “CMVM pode ordenar à entidade gestora de mercado regulamentado ou de sistema de negociação multilateral que proceda à suspensão de instrumentos financeiros da negociação, quando a situação do emitente implique que a negociação seja prejudicial para os interesses dos investidores ou, no caso de entidade gestora de mercado regulamentado, esta não o tenha feito em tempo oportuno”.

O mesmo artigo acrescenta que a Comissão pode “ordenar à entidade gestora de mercado regulamentado ou de sistema de negociação multilateral que proceda à exclusão de instrumentos financeiros da negociação quando comprovar a violação das leis ou regulamentos aplicáveis” e “estender a suspensão ou a exclusão a todos os mercados regulamentados e sistemas de negociação multilateral onde instrumentos financeiros da mesma categoria são negociados”.

Quanto à alínea b) do número dois do artigo 213 estatui que “a suspensão da negociação justifica-se quando ocorram circunstâncias susceptíveis de, com razoável grau de probabilidade, perturbar o regular desenvolvimento da negociação”.

A última negociação das ações da ESFG aconteceu às 9h02, altura em que já estavam a perder 8,9% para 1,19 euros.

A iniciativa da CMVM segue-se ao pedido de suspensão da negociação de ações e obrigações da Espírito Santo Financial Group (ESFG) nas bolsas de Lisboa e do Luxemburgo, anunciado nesta quinta-feira pela empresa. Em comunicado enviado à CMVM, a empresa explicou que a decisão foi tomada devido “a dificuldades materiais em curso”, especialmente do seu maior acionista Espírito Santo International (ESI).

A última negociação das ações da ESFG aconteceu às 9h02, altura em que já estavam a perder 8,9% para 1,19 euros. A decisão da “holding”que detém 25,1% dos Banco Espírito Santo (BES) também está a afetar negativamente as ações do BES. Às 10h30 estavam a cair 12,03% para 0,54 euros.

Segundo o Negócios, o BES já acumula uma queda de 27,5% em quatro dias, o que representa uma perda de mais de 1,1 mil milhões de euros em termos de capitalização bolsista.

A ESFG decidiu suspender os títulos, incluindo também as obrigações emitidas pela sua subsidiária Espírito Santo Financière, na sequência da sua exposição à ESI. Os receios em torno da solidez financeira do Grupo Espírito Santo (GES) tornaram-se mais fortes depois de ter sido noticiado que a subsidiária Banque Privée Espírito Santo estava em incumprimento no reembolso a alguns clientes que tinham aplicações em dívida.

A agência de ‘rating’ Moody’s baixou na quarta-feira em três níveis a nota da ESFG e justificou o corte com a subida do risco de crédito da empresa face à Espírito Santo International e à RioForte.

O Diário Económico avança que a Espírito Santo Internacional está a avaliar um pedido de insolvência, num cenário que, de acordo com o jornal, poderá avançar se a empresa não conseguir chegar a um acordo com os principais credores. A medida permitiria avançar com um plano de reestruturação que será aprovado pelos acionistas da ESI na assembleia geral (AG) de 29 de julho, escreve o jornal.

A agência de ‘rating’ Moody’s baixou na quarta-feira em três níveis a nota da ESFG, o maior acionista do BES, de B2 para Caa2. A Moody’s justifica o corte de ‘rating’, que já estava fora da escala de investimento (‘lixo’), com a subida do risco de crédito do ESFG face às empresas Espírito Santo International e RioForte, que não são avaliadas pela agência.

O BES divulgou, também na quarta-feira, a nova convocatória da assembleia geral extraordinária do banco, que confirma Vítor Bento na presidência executiva, em vez de Amílcar Morais Pires, que constava da anterior convocatória. A convocatória divulgada através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), mantém a data da reunião magna de acionistas para 31 de julho, às 10h00, num hotel em Lisboa, sendo proposta aos acionistas a “ratificação das cooptações” de Vítor Bento e de João Moreira Rato para membros do conselho de administração do BES para terminarem o mandato em curso, o que acontece em 2015.

Os acionistas vão, também, deliberar sobre a designação de Paulo Mota Pinto, deputado social-democrata e ex-juiz do Tribunal Constitucional, como presidente do conselho de administração (‘chairman’) e sobre a criação do novo conselho estratégico, bem como a eleição dos seus membros.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Caixa Geral de Depósitos

Caixa para que te quero

Inês Domingos

Centeno quis a toda a força financiar a Caixa para lá do que seria aparentemente preciso, mas disse no Parlamento que não tem interesse no resultado da auditoria que revelou os desmandos socialistas. 

Liberalismo

Por uma alternativa política

Manuel Loureiro
291

Vivemos contentes com crescimentos poucochinhos, resignados a um aperto económico com que as famílias vivem? Se em 1974 ganhámos a democracia, não estará agora na hora de lutarmos pela liberdade?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)