A Estradas de Portugal (EP) confirmou nesta quarta-feira que a construtora Opway, do Grupo Espírito Santo (GES), apresentou “uma caução” por “depósito em dinheiro” que permite assegurar a construção do acesso poente ao Túnel do Marão. A Opway Engenharia ganhou o concurso para a realização das obras do acesso poente ao Túnel do Marão, que dizem respeito a 10 quilómetros da Autoestrada do Marão, cuja construção está parada há três anos.

A obra, inserida na autoestrada que vai ligar Vila Real a Amarante, foi adjudicada por 29,5 milhões de euros. Fonte da EP disse hoje à agência Lusa que, “perante os factos relevantes entretanto surgidos sobre o grupo empresarial onde se integrava a empresa vencedora, a EP, no mais curto prazo que a lei lhe permite, solicitou alguns documentos complementares que foram entregues dentro do prazo legal”.

A Opway terá visto a garantia bancária cedida pelo antigo Banco Espírito Santo (BES) perder valor, pelo que teve que apresentar novas garantias bancárias até terça-feira. A caução, segundo a EP, “foi prestada por depósito em dinheiro e os documentos estão agora a ser analisados”. De acordo com a edição do Correio da Manhã de hoje, a empresa “assegurou à última hora uma garantia de 1,5 milhões de euros, travando passagem da obra” para o consórcio que ficou em segundo lugar no concurso, a Dragados.

O presidente da Câmara de Vila Real, Rui Santos, afirmou à Lusa que “já basta de atrasos” na construção desta autoestrada que é reivindicada há muitos anos. “Espero que tudo se resolva o mais depressa possível”, salientou.

Para a execução do empreendimento do Túnel do Marão a EP decidiu não englobar toda a obra num único concurso, tendo optado pelo lançamento, em fevereiro, de três concursos públicos internacionais para a construção do acesso poente, do acesso nascente e de execução do Túnel. Esta decisão, segundo a empresa, teve como objetivo “incrementar o potencial de concorrência de modo a reduzir o nível de risco e garantir um menor custo público”.

A EP referiu que os “processos de concurso têm decorrido com exemplar rapidez, de forma a assegurar a realização da obra até final de 2015 otimizando assim o necessário financiamento comunitário”. A empreitada para a construção do sublanço de ligação do Túnel do Marão a Parada de Cunhos foi adjudicada em julho ao consórcio Ferrovial Agroman e Lena Engenharia e Construções, tendo o respetivo contrato sido de imediato enviado para Tribunal de Contas para obtenção de visto prévio.

A obra de conceção/construção do Túnel foi entregue ao consórcio Teixeira Duarte e EPOS tendo o respetivo contrato também já sido remetido para o Tribunal de Contas. Estas adjudicações representam um investimento total de 146,4 milhões de euros o que representa uma poupança de 57,6 milhões de euros face às estimativas iniciais. A EP prevê que o início das obras ocorra no mês de setembro.