No dia 11 de setembro de 2001, o astronauta Frank Culbertson estava a mais de 350 quilómetros acima do planeta Terra. Era o único norte-americano que não estava em terra firme no dia em que os dois aviões da American Airlines atingiram as Torres Gémeas em Nova Iorque. Apesar da distância, Culbertson assistiu a tudo dos céus.

O comandante da missão Expedition 3 estava a bordo da Estação Espacial Internacional na altura dos ataques e era o único norte-americano a integrar a equipa. “É difícil descrever como é ser o único americano completamente longe do planeta numa altura como esta”, escreveu mais tarde. Assim que soube que dois aviões tinham colidido contra as Torres Gémeas, começou a tirar fotografias, enquanto a estação sobrevoava a área de Nova Iorque. Nas horas que se seguiram, Culbertson captou imagens únicas que mostram o trágico acontecimento visto do espaço. “É horrível ver fumo a sair das feridas do nosso próprio país”, relatou no dia seguinte. “A dicotomia entre estar numa nave espacial que se dedica a melhorar a vida na terra e em ver a vida a ser destruída por atos tão terríveis é avassaladora”.

iss003e5387_full

Frank Culbertson- NASA

No dia seguinte, publicou uma carta onde descreveu os seus pensamentos e reações no momento em que se soube o que estava a acontecer. Do espaço, Culbertson recordou os seus pensamentos no momento em que o mundo mudava debaixo dele. “O mundo mudou hoje. O que digo ou faço é insignificante quando comparado com o que aconteceu hoje ao nosso país”, escreveu.

583036main_wtc-merge-321pan_lrg_full

Frank Culbertson – NASA