A ministra da Agricultura, Assunção Cristas, anunciou que vai ser lançado na próxima semana o concurso público para a bolsa de terras do Estado, que privilegiará os jovens agricultores e os proprietários confinantes. “No início da próxima semana vai estar no site da direção geral o lançamento do concurso da bolsa de terras do Estado. São 730 hectares que vão a concurso, havendo um pré-aviso de 20 dias, para as pessoas terem tempo para se candidatarem, que privilegiará muito a lógica dos jovens agricultores e das propriedades confinantes, para ganharmos escala”, anunciou.

Assunção Cristas, que falou à Lusa à margem de uma visita a Anadia, disse estarem reunidas as condições para a bolsa de terras avançar, após ter já sido publicado em Diário da República o regulamento para os contratos de arrendamento, que estabelece as regras. “Vamos continuar nesse caminho, quer no que diz respeito a esses meios, quer no acesso aos fundos comunitários, para pôr à disposição de quem quer trabalhar a terra, pensando muito nos jovens agricultores que se têm vindo a instalar em número crescente e que precisam de ter estes apoios”, comentou.

A ministra destacou que o objetivo das políticas do Governo é aumentar a produção agrícola nacional e que tem havido uma evolução positiva, com o aproveitamento dos fundos comunitários e o sentido de risco dos empresários. “Portugal vai começando a ser conhecido como país de origem de produtos agrícolas e agroindustriais de excelência”, disse Assunção Cristas, dando como exemplo a distinção recente de um vinho branco português da Adega Campolargo, que hoje visitou, premiado em Inglaterra “num dos concursos mais antigos e prestigiados do mundo”.

Segundo a ministra, essa evolução, nomeadamente nos vinhos, “é fruto de trabalho aturado e investimento que tem sido feito pelo setor” e visível pelos números de aplicação dos fundos comunitários do PRODER, “que está com uma execução de 90%, um valor excecional”. “Olhando para os fundos comunitários temos bons exemplos da evolução do setor e desenhámos um programa de desenvolvimento rural adequado. Temos procurado, no que está ao alcance do Estado, disponibilizar instrumentos para aumentar a produção agrícola nacional”, concluiu.