Um grupo de 37 pessoas com idades entre os 50 e os 69 anos esteve durante três meses a beber diariamente bebidas à base de flavonóis, substância presente no cacau. Os cientistas da Columbia University Medical Centre em Nova Iorque, que agora divulgaram o estudo, dividiram esse grupo em dois. A conclusão aponta para uma grande melhoria na capacidade de memorização no grupo que ingeriu mais flavonóis.

“Após três meses, um participante que tinha a memória de um sexagenário no começo do estudo, apresentou um desempenho típico de alguém com 30 ou 40 anos”, resumiu Scott A. Small, o principal autor do estudo, publicado na revista Nature Neuroscience. Foi possível verificar um aumento do volume sanguíneo numa região conhecida como giro denteado do hipocampo nos voluntários que ingeriram uma maior quantidade de flavonóis. Esse grupo mostrou melhores aptidões de memorização, num exercício que consistia em reconhecer formas.

Contudo, o investigador destacou que os resultados são preliminares e terão de ser confirmados por novos estudos, com um número maior de pessoas. Um ponto sublinhado também por outros especialistas, que alertaram para a amostra reduzida utilizada pelos cientistas. Os especialistas dizem ainda que a conclusão deste estudo não significa que as pessoas devem comer mais chocolate, uma vez que o produto utilizado na experiência foi uma bebida feita a partir de grãos de cacau.