A empresa espanhola Pefaco comprou nove bingos portugueses – o do Benfica, Belenenses, Boavista, Setúbal, Académica de Coimbra, Almada, Nazaré, Odivelas e Olhão – naquela que parece ser uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre o setor. De fora, ficaram apenas seis dos 15 bingos portugueses e a Autoridade da Concorrência está a analisar a operação, avança o Jornal de Negócios.

Se a entidade permitir que a operação se realiza, a empresa que detém mais de mil espaços de jogo em vários países e hotéis no Congo e no Togo fica com cerca de dois terços dos bingos que operam em Portugal. Mas este é um setor que tem estado longe de ser lucrativo.

De acordo com a informação avançada pelo Negócios, o bingo da Académica de Coimbra deu um prejuízo de 40 mil euros em 2013 e a Pefaco ficou com a concessão do jogo. O vice-presidente do clube disse à publicação que o contrato com a empresa pode render, no mínimo, 180 mil euros anuais. Segundo o dirigente, a Pefaco poderá estar disponível para investir entre 700 mil a um milhão de euros no bingo.

A publicação económica adianta que o negócio do bingo tem vindo a cair em Portugal desde 2002. Em 2013, obteve menos 3,8 milhões de euros de faturação do que no ano anterior, perfazendo um total de 44,9 milhões de euros. Em 12 anos, fecharam 15 salas de bingo em Portugal.