818kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Santana Lopes desafia Marcelo e lança farpas a Guterres

Este artigo tem mais de 5 anos

Santana Lopes não gosta de ver o país suspenso à espera da decisão de Guterres, mas afirma que ele seria o "adversário mais estimulante".

O provedor da Santa Casa vai tomar uma decisão nos próximos meses
i

O provedor da Santa Casa vai tomar uma decisão nos próximos meses

AFP/Getty Images

O provedor da Santa Casa vai tomar uma decisão nos próximos meses

AFP/Getty Images

Pedro Santana Lopes ainda está a pensar se avança ou não com uma candidatura às eleições presidenciais do próximo ano. A decisão deverá ser tomada nos próximos três meses, diz o antigo primeiro-ministro, que, em declarações ao Diário de Notícias, considera estar “incluído” nas hipóteses da direita a essas eleições. E Santana admite avançar mesmo que Marcelo Rebelo de Sousa também se candidate. “Porque não se faz como em França e não vão mais candidatos do centro-direita à primeira volta? A ideia de que só pode ir um não tem cabimento”, afirma.

Segundo o atual provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, a altura ideal para apresentar candidaturas será até maio, contrariando assim a ideia, defendida ontem de novo por Marcelo, de que outubro ou novembro, depois das legislativas, é a melhor altura. “Em outubro é impossível, é ridiculamente tarde”, disse, lançando a farpa ao comentador da TVI: “Quem diz que só decide em outubro é porque não vai avançar”.

Entretanto, já depois da uma da manhã desta segunda-feira, em comentário ao título que faz a manchete do Diário de Notícias (“Santana admite candidatar-se mesmo contra Marcelo”), o ex-primeiro-ministro escreveu no seu Facebook que as suas declarações ao matutino não devem ser interpretadas como uma oposição a Marcelo. “Quem é candidato à Presidência nunca o é contra ninguém”, lê-se.

António Guterres é outro dos visados pelos comentários de Santana. O Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados e potencial candidato da esquerda tem a sua candidatura dependente de uma eventual continuação na ONU. Algo que, para Santana, não se admite. “A decisão sobre uma candidatura presidencial não é bem como ir a uma agência de head hunter e escolher entre duas ou três hipóteses de trabalho”, escreveu o social-democrata no Facebook.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ao DN, admite que Guterres “é o adversário mais estimulante” que poderia ter, mas discorda da estratégia do socialista de não assumir já se avança ou não para Belém. “Quando o pai abandona a família numa altura difícil, a família não pode estar sempre a ligar a perguntar quando volta”, criticou Santana, que não tem medo de Guterres. “Não acredito em sebastianismos, muito menos dos que vêm de pântanos”.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos