Os Estados Unidos colocaram na sua lista antiterrorista o chefe dos talibãs paquistaneses, o ‘mullah’ Fazlullah, que reivindicou o ataque mortífero de dezembro contra uma escola em Peshawar, no Paquistão, anunciou hoje o Departamento de Estado norte-americano.

A medida foi tomada no dia da visita ao Paquistão do secretário de Estado John Kerry.

O Movimento Taliban do Paquistão (Tehreek-e-Taliban Pakistan, TTP) figura desde setembro de 2010 na lista norte-americana de “organizações terroristas estrangeiras”, e a diplomacia dos EUA decidiu acrescentar Fazlullah na categoria de “terroristas internacionais”.

Na prática, estas medidas implicam a proibição de qualquer cidadão norte-americano “realizar transações” com Fazllulah, bem como o congelamento de todos os bens e interesses” deste nos Estados Unidos.

O Departamento de Estado dos EUA recorda que o Movimento Taliban do Paquistão reivindicou a autoria do ataque de 16 de dezembro contra uma escola de Peshawar, frequentada por filhos de militares, matando 150 pessoas, 134 das quais estudantes.

O atentado representou uma represália à ofensiva do exército paquistanês lançada em junho no Waziristão do Norte, uma zona tribal paquistanesa que faz fronteira com o Afeganistão e epicentro do movimento ‘jihadista’ regional, do qual o TTP faz parte.

De acordo com várias fontes, vários talibãs paquistaneses, entre os quais o seu chefe, Fazlullah, estão agora refugiados nas montanhas do leste do Afeganistão, onde continuam a planear ataques ao Paquistão.

O TTP é o principal grupo rebelde islâmico do país, sendo também responsável pela tentativa de assassinato de Malala Yousafzai, a jovem laureada em 2014 com o Prémio Nobel da Paz.

Próximo da Al-Qaida, o Movimento Taliban do Paquistão é uma coligação heterogénea de grupos ‘jihadistas’ que já mataram milhares de paquistaneses desde o início, em 2007, da sua “guerra santa” contra Islamabad, que acusam de ser um aliado de Washington.

Até novembro de 2013, os talibãs paquistaneses eram liderados por Hakimullah Mehsud, mas este foi morto num ataque de um ‘drone’ (avião não tripulado) norte-americano numa zona tribal no noroeste do país, sendo então substituído pelo ‘mullah’ Fazlullah, também conhecido como o ‘mullah’ Radio, devido aos seus sermões nas rádios locais.

Na visita de hoje a Islamabad, John Kerry apoiou a operação militar paquistanesa nas áreas tribais e apelou a um reforço da cooperação de segurança entre os dois países.

Kerry tinha também prevista uma deslocação a Peshawar, mas Washington cancelou a viagem alegando condições meteorológicas desfavoráveis.