Rádio Observador

Defesa

Armamento: A lista de compras de Portugal

Substituição da G3, novos navios patrulha e modernização dos C130 fazem parte das prioridades. Lei de Programação Militar, que prevê gasto de 960 milhões em quatro anos, é discutida no Parlamento.

Portugal tem três aviões C130

AFP/Getty Images

Autor
  • Helena Pereira

Nos próximos quatro anos, Portugal quer gastar 960 milhões de euros em armamento. A revisão da Lei de Programação Militar (LPM) é discutida esta quinta-feira em plenário da Assembleia da República e deverá ser aprovada apenas com os votos a favor dos partidos da maioria.

De acordo com a proposta, em 2015 o investimento previsto é de 210 milhões, em 2016, 230 milhões, em 2017, 250 milhões e, em 2018, 270. No primeiro quadriénio, as prioridades são as seguintes:

Marinha

  • Dois novos Navios Patrulha Oceânicos – A Marinha tem atualmente dois, construídos nos Estaleiros Navais de Viana do Castelo. Os restantes seis que chegaram a estar encomendados foram cancelados por este Governo em 2012.
  • Renovação das fragatas classe Vasco da Gama e Bartolomeu Dias – Portugal dispõe de cinco e trata-se dos navios mais poderosos da Armada, que datam da década de 90.
  • A substituição dos motores dos helicópteros Lynx – São também cinco, que foram adquiridos com as três fragatas da classe Vasco da Gama, de que fazem parte. Desempenham missões de anti-submarina, luta anti-superfície, interdição marítima, combate à pirataria, evacuações médicas, transporte logístico sempre em conjugação com as fragatas.

Exército

  • Início do processo para substituição da Arma Ligeira – Isto significa a substituição da velha G3 que fez a guerra colonial e que ainda é usada pela tropa portuguesa. Este concurso também já foi aberto e foi por este Governo cancelado.
  • Viaturas Táticas Ligeiras Blindadas (4×4) – São essenciais para a Brigada de Reação Rápida.

Força Aérea

  • Renovação da frota dos C-130 – São seis aviões de transporte estratégico. Podem transportar tropas e viaturas, bem como fazer evacuações de emergência com capacidade para 100 pessoas. É a principal prioridade da Força Aérea pois estes aviões já têm restrições para voar no espaço aéreo europeu precisamente por ter sistemas de navegação antigos. A sua substituição por uns aviões novos será feita a médio prazo.
  • Atualização do software operacional da frota F16 – São os aviões mais mortíferos das Forças Armadas portuguesas. Portugal dispõe de duas esquadras de fabrico norte-americano, que estão ao serviço desde os anos 90, apesar da sua construção ser mais antiga.

EMGFA

  • Os programas do Estado-Maior General das Forças Armadas são comuns a todos os ramos e dizem respeito a valências como comunicações satélite, capacidade de ciberdefesa, informações militares e apoio sanitário.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)