Rádio Observador

Chocolate

A última moda: snifar chocolate

1.313

Há uma nova forma de consumir chocolate: snifando-o. Surgiu na Bélgica, por um mestre chocolateiro, depois de ser desafiado a criar algo original para o aniversário dos membros dos Rolling Stones.

Quem já provou garante que o chocolate, assim, dá enorme energia

AFP/Getty Images

Autor
  • Miguel Santos Carrapatoso

O chocolate pode até estar a esgotar, mas há quem não se canse de inventar novas formas de o consumir. Na Bélgica, um mestre chocolateiro criou um dispositivo que permite snifar chocolate. Sim, leu bem. Há quem esteja a consumir chocolate pelo nariz.

A ideia surgiu na Antuérpia, quando Dominique Persoone, mestre chocolateiro na “The Chocolate Line”, foi desafiado a produzir algo original para a festa de aniversário de Ronnie Wood e Charlie Watts, guitarrista e baterista dos Rolling Stones, respetivamente, como conta o The Independent. Persoone, então, decidiu criar uma máquina que permitisse snifar chocolate. A moda fez tanto sucesso na Bélgica que Maria Jean Dunsdon decidiu levá-la para Vancouver, Canadá, onde tem uma loja de doces.

“Dei por mim em Antuérpia, num sítio fantástico chamado “The Chocolate Line”, onde inventaram o chocolate ‘cheirável’. Comprei uma data deles e trouxe-os para casa. Quero ver as pessoas a cheirar chocolate na minha loja de doces”, afirmou Maria Jean Dunsdon, ao jornal local The Province.

O Chocolate Shooter – nome do dispositivo – promete dar “uma explosão de prazer” a quem o utilize. Mas o que diz quem já experimentou? Nick Eagland, jornalista do The Province, garante que é delicioso. O jornalista decidiu documentar a sua experiência em vídeo, antes de escrever o artigo sobre o aparelho. Pode ver as imagens do momento aqui:

“Não sei se foi do desconforto de meter alguma coisa pelo meu nariz acima ou a sensação do chocolate a derreter no meu cérebro, mas eu senti uma dose intensa de energia, como se um grande pedaço de chocolate tive sido atirado contra a minha cara”, descreveu o jornalista ao Independent. Ainda assim, cheirar chocolate, não deve tornar-se um hábito, alertou Nick Eagland.

Mas não há bela sem senão: a nova moda pode ser muito prejudicial para os pulmões, afirmou o médico Daniel Rutherford ao mesmo jornal. Quem “cheirar” chocolate ou qualquer outro pó “está a pedir para ter problemas”, avisou Rutherford. Além disso, o método é inútil, considera.

“Se cheirares uma quantidade modesta [de chocolate], o produto vai-se misturar com o muco nasal e vai ser engolido pela garganta, em vez de ir direto para o cérebro. Por isso, mais vale comê-lo normalmente”, sugeriu.

Apesar das dúvidas que subsistem em relação aos efeitos nocivos desta nova moda, os criadores do Chocolate Shooter garantem que se basearam em estudos recentes que demonstram o “quão importante é o nosso nariz para o paladar”. E os fãs da nova moda parecem concordar: em todo o mundo, já foram vendidos 25 mil Chocolate Shooter.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)