Os juros da dívida portuguesa estavam esta quinta-feira a descer em todos os prazos e a dois e dez anos para mínimos de sempre, depois do Banco Central Europeu (BCE) ter anunciado um programa de estímulos à economia.

Hoje, pelas 09h00 em Lisboa, os juros da dívida portuguesa a dez anos estavam a cair para 2,367%, um mínimo de sempre, depois de terem terminado na quinta-feira a 2,589%. O atual mínimo no encerramento, de 2,418%, foi atingido a 2 de janeiro passado.

Os juros a dois anos também estavam a descer para mínimos históricos, de 0,176%, depois de terem terminado a 0,287% na quinta-feira. No mesmo sentido, os juros a cinco anos estavam a descer, para 1,323%, contra 1,535% na quinta-feira e o mínimo de sempre, de 1,257%, a 02 de janeiro passado.

O Banco Central Europeu (BCE) anunciou na quinta-feira um programa de compra de dívida soberana dos países da zona euro no valor de mais de um m bilião de euros.

Na quarta-feira, a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, afirmou no Parlamento que Portugal vai proceder ao pagamento antecipado do empréstimo contraído ao Fundo Monetário Internacional (FMI) durante o resgate financeiro do país. A governante disse ainda que o Estado acumulou “um montante de reservas de liquidez muito significativo” que permite “enfrentar com muita tranquilidade” eventuais dificuldades futuras.

A 17 de maio de 2014, Portugal abandonou oficialmente o resgate sem qualquer programa cautelar.

O programa de ajustamento solicitado por Portugal à ‘troika’ (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional), no valor de 78 mil milhões de euros, esteve em vigor durante cerca de três anos.

Os juros da dívida soberana da Irlanda estavam a cair a cinco e dez anos, bem como os de Itália e os de Espanha em todos os prazos. Em relação aos juros da Grécia, nos únicos prazos disponíveis para este país, estes estavam a cair a cinco anos e a subir a dez.