Um membro do banco central alemão, Joachim Nagel, preveniu na terça-feira o novo governo grego para a paragem do programa de ajudas europeu em curso, o que teria “consequências fatais” para o sistema bancário do país. “Se a continuidade do programa de ajudas para a Grécia fosse colocada em questão, isso poderia ameaçar o refinanciamento monetário”, advertiu no diário económico alemão Handelsblatt, na edição que vai sair na quarta-feira.

Segundo um extrato da entrevista divulgada na noite de terça-feira, Nagel anteviu que “isso teria consequências fatais para o sistema financeiro grego”. “Os bancos gregos perderiam então o seu aceso ao dinheiro do banco central”, adiantou Nagel, que integra o diretório do Bundesbank.

Alexis Tsipras, que tomou posse do cargo de primeiro-ministro na segunda-feira, prometeu o fim da austeridade e reclamou uma reestruturação da dívida, que representa 177% do produto interno bruto do país. A União Europeia estipulou à Grécia a data limite de fevereiro para cumprir algumas reformas consideradas necessárias para o desbloqueio de cerca de sete mil milhões de euros de ajuda, prazo que Tsipras considerou sem significado.

O país vive desde 2010 sob assistência dos seus credores internacionais, que se comprometeram em emprestar 240 mil milhões de euros, mas em troca de uma austeridade draconiana, e reformas que colocaram o país de joelhos.