O ministro da Economia, António Pires de Lima, afirmou esta quinta-feira que os dados do desemprego divulgados esta manhã vêm a confirmar a “tendência de redução gradual” da taxa e contrariar aqueles que se opõem a quem constrói riqueza em Portugal. A taxa de desemprego (dos 15 aos 74 anos) estimada para dezembro em Portugal é de 13,4%, menos 0,1 pontos percentuais do que o estimado para novembro, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

“À evolução positiva da atividade económica tem correspondido uma gradual, mas consistente redução do desemprego. Ainda hoje se conheceram os dados mais recentes que vêm a confirmar esta tendência de redução gradual, estão neste momento registados menos 100 mil desempregados do quem em dezembro de 2013”, afirmou o ministro, que falava na 4.ª edição Euronext Lisbon Awards, que decorreu em Lisboa.

O governante sublinhou que a taxa de desemprego em Portugal passou de 15,2% em dezembro de 2013 para 13,4% em dezembro do ano passado. Este dado “veio contrariar aqueles que se opõem a quem constrói riqueza em Portugal e vivem mergulhados numa onda depressiva permanente”, sublinhou o ministro.

“Essa onda depressiva, apesar de algumas adversidades que fomos conhecendo em 2014, não tem adesão à realidade, não tem relação direta com o momento económico que estamos a viver, que é um momento positivo que nos afasta dos cenários mais pessimistas que alguns traçaram para o nosso país”, acrescentou António Pires de Lima.

O ministro reiterou que Portugal está a viver uma “situação de credibilidade e de confiança” e disse que o país está a assistir a “sinais consistentes de recuperação que se refletem também na vitalidade e dinamismo do mercado de capitais”.

Pires de Lima disse querer que 2015 “seja um ano marcado no mercado de capitais português por notícias positivas, correspondendo à boa evolução da economia”, por “notícias que inspirem mais confiança junto dos investidores e, se possível, notícias de ofertas de mercado de capitais de pequenas e médias empresas através do apoio de instrumentos que entretanto foram sendo criados”.

Para o governante, “é muito importante que o mercado de capitais possa ser uma plataforma de capitalização das empresas, não só para as maiores”, mas também para as de menor dimensão.

Para o presidente da bolsa portuguesa, Luís Laginha de Sousa, o balanço da entrega dos prémios Euronext Lisbon Awards tem sido positivo. Em declarações à Lusa, lembrou que estes prémios já vão na sua quarta edição e que “foram lançados num período complicado da vida económica” do país.

“São um momento que permite reconhecer o que se continua a fazer no mercado de capitais” e isso “tem de ser estimulado”, afirmou Luís Laginha de Sousa, sublinhando que este evento é também uma “oportunidade para passar mensagens”.