Rádio Observador

Obras Públicas

Turismo do Centro quer acesso alternativo à Torre da Serra da Estrela

116

A Entidade Regional de Turismo do Centro defende uma "nova solução" para permitir o acesso permanente ao Maciço Central da Serra da Estrela, ponderando o impacto ambiental e os custos da obra.

No inverno milhares de pessoas são impedidas de chegar às zonas mais altas sempre que há fortes nevões

Ant

“Como está, não pode continuar”, disse à agência Lusa o presidente da Turismo do Centro, Pedro Machado, ao preconizar uma ligação alternativa à Torre que possibilite a fruição das belezas naturais “365 por ano”, mesmo quando a neve bloqueia as estradas.

Para Pedro Machado, importa assegurar “um desenvolvimento sustentado” da região, o que obriga a que sejam “estudadas diferentes modalidades” de acesso ao ponto mais elevado desta montanha da região Centro, a mais alta de Portugal Continental, com 1.993 metros.

Sem se comprometer com qualquer solução, preconizou uma avaliação do impacto ambiental, dos custos financeiros e das vantagens económicas de cada uma das opções possíveis: construção de uma nova ligação rodoviária, implantação de um funicular ou de um teleférico (telecabine).

“Não podemos é cair em situações radicais”, que causem “prejuízos graves” ao equilíbrio ambiental do Parque Natural da Serra da Estrela (PNSE), disse Pedro Machado, rejeitando também “que se mantenha o problema e não se faça nada”.

No inverno, milhares de pessoas são impedidas de chegar às zonas mais altas, durante dias ou semanas, sempre que a serra é fustigada por fortes nevões.

“Todos reconhecemos a Serra da Estrela como um destino de referência nacional ou mesmo internacional, em particular para o turismo ativo e de natureza”, salientou o presidente da Turismo do Centro.

Trata-se de uma zona de paisagem integrada no PNSE, a maior área protegida de Portugal, criada em 1976.

Com o “episódio sazonal da neve”, a Serra da Estrela permite as atividades turísticas de janeiro a dezembro, o que, na sua opinião, exige uma alternativa de mobilidade entre o exterior e o Maciço Central.

As “restrições que condicionam” a mobilidade dos visitantes a esse “espaço único” e a sua “fruição nos 365 dias do ano” devem ser resolvidas, através de um processo que envolva os municípios, o PNSE, o Ministério do Ambiente e as empresas “que beneficiam desta época alta” associada à neve.

“Temos aqui quase duas épocas altas, no inverno e no verão”, frisou Pedro Machado.

A Serra da Estrela estende-se por uma área de quase 75 mil hectares, maioritariamente no distrito da Guarda (85%) e um pouco no distrito de Castelo Branco (15%), abrangendo seis municípios: Guarda, Manteigas, Gouveia, Seia, Celorico da Beira e Covilhã.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)