Rádio Observador

Eleições Presidenciais

Marcelo. Avançar só em outubro e ainda bem que Santana Lopes o reconheceu

100

Marcelo Rebelo de Sousa diz que Santana Lopes "pensou bem" quando deixou uma potencial candidatura para outubro até porque até lá muito vai acontecer no país e no mundo.

Santana diz que espera por outubro, Marcelo também e Passos ainda não sabe quem apoiar

Estela Silva/LUSA

Candidatos podem ser muitos e não se entenderem na visão que têm para o país e para o papel de Presidente da República, mas para já há um acordo à direita: outubro é o tempo de avançar, depois das eleições legislativas. Marcelo Rebelo de Sousa, possível candidato a Presidente da República, concordou com a decisão de Santana Lopes de deixar para depois das eleições legislativas uma decisão sobre se concorre ou não a Belém.

Marcelo Rebelo de Sousa esteve durante toda a tarde desta sexta-feira a ouvir os partidos falarem de contas de campanhas eleitorais no Tribunal Constitucional, mas o tema, que não o entusiasma, não lhe deu gás para admitir se daqui a um ano está ou não a apresentar a contas da sua própria campanha. “Não tenho a mínima ideia [se vai estar a fazer contas à campanha]. É uma questão que não me preocupa minimamente. Em outubro, penso que quem estiver na liça pensará se sim ou não valerá a pena fazer contas à campanha presidencial. Antes de outubro não faz sentido”, respondeu à provocação dos jornalistas depois do colóquio no Constitucional sobre os dez anos da Entidade das Contas e dos Financiamentos Políticos (ECFP).

A alteração de timings de candidatura foi anunciada por Santana Lopes esta quarta-feira e a alteração de planos do outro social-democrata fez sorrir Marcelo Rebelo de Sousa. “Foi uma boa mudança. Sempre defendi que outubro era a altura indicada e penso que Pedro Santana Lopes pensou bem quando compreendeu que outubro era a altura adequada para depois das legislativas se perfilarem os candidatos presidenciais. Foi uma boa decisão”, repetiu. Aliás, lembra, é tão prematuro que apesar de se falarem de muitos nomes à esquerda e à direita ainda “nenhum deles deu sinal de avançar”.

Não diz se avança nem se quer, mas o certo é que tem os calendários bem decorados – lembrou que a entrega das candidaturas poderá ser até ao natal – e tem os possíveis candidatos bem controlados. Falou-se de Sampaio da Nóvoa, Carvalho da Silva, António Guterres e até de Maria de Belém e nenhum deles disse ser candidato a candidato, lembra aos jornalistas. E à direita a competição está debaixo de olho Santana “já veio reconhecer que outubro é o tempo adequado. Rui Rio veio reconhecer que não é o tempo adequado. Não faz sentido avançar para depois recuar”, vaticina.

No xadrez estratégico presidencial que corre na cabeça do professor Marcelo, há muitas variáveis que correm um longo caminho entre Portugal, a Europa e até o mundo. É que há muito a acontecer e as candidaturas presidenciais deve ser a última coisa a ficar definida.

“Nesta altura é uma questão totalmente prematura. Estamos numa fase em que há coisas tão importantes para decidir ainda no país e na Europa com a Grécia e no mundo que mesmo em relação às legislativas ainda não há uma imagem clara de qual é o resultado final e qual o governo que há de sair, muito menos candidatos presidenciais”.

Também Santana Lopes deu como argumentos para o adiamento, a situação política europeia e internacional. Marcelo insiste na ideia dizendo mesmo que “as legislativas ainda estão antes do começo, António Costa ainda não avançou com as ideias, a coligação ainda não avançou com a coligação”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)