Rádio Observador

Venezuela

Venezuelanos vão pagar mais 327% por cada dólar norte-americano

O Banco Central da Venezuela fixou a primeira cotação oficial para o novo Sistema Marginal de Divisas em 170 bolívares por dólar norte-americano.

ANTONIO COTRIM/Lusa***

O Banco Central da Venezuela fixou esta sexta-feira a primeira cotação oficial para o novo Sistema Marginal de Divisas (Simadi) em 170 bolívares por dólar norte-americano, 327% mais que os 52 bolívares do extinto Sistema Alternativo de Divisas (Sicad 2).

A nova cotação ficou a apenas 19 bolívares menos que o valor da moeda norte-americana no mercado paralelo do dólar, que esta sexta-feira era de 189 bolívares e é proibido divulgar localmente.

Na terça-feira, a Venezuela anunciou a instituição de um “novo esquema cambial” com três modalidades, um dos quais o Simadi, baseado numa cotação “totalmente livre” ao qual os cidadãos e empresas poderão recorrer para vender ou comprar dólares no país.

O novo sistema cambial mantém a cotação de 6,30 bolívares por dólar para as importações de produtos prioritários para alimentação e saúde e unificou as outras duas cotações que vigoravam até agora (12 e 52 bolívares) numa só a 12 bolívares por dólar.

O novo sistema mantém a limitação de compra de 3.000 dólares anuais para as viagens ao estrangeiro, tanto para cidadãos nacionais como estrangeiros radicados no país, deduzindo desse valor os 300 dólares anuais que poderão ser utilizados para efetuar compras eletrónicas através da Internet.

Por outro lado, a compra de divisas, no novo sistema, está limitada a 300 dólares diários por pessoa e a um máximo anual de 10.000 dólares norte-americanos ou o equivalente noutra moeda.

Há 12 anos, a 5 de fevereiro de 2003, a Venezuela implementou um sistema de controlo cambial que desde então impede a livre obtenção de moeda estrangeira no país e obriga os cidadãos e empresários a solicitar às autoridades autorização para aceder a dólares para as importações, viagens ao estrangeiro, compras eletrónicas, recursos para estudos e remessas para familiares.

Desde então registaram-se seis desvalorizações da moeda, que inicialmente se cotava a 2,15 bolívares por dólar norte-americano e mais recentemente a 52 bolívares por dólar à taxa oficial mais alta até há dois dias.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)