Rádio Observador

Agricultura

Assunção Cristas: “É preciso produzir mais” e apostar “noutras geografias”

228

Ministra da Agricultura e do Mar diz que é preciso que produtores apostem em mercados alternativos. Depois da entrada em 70 novos mercados, a produção nacional vai chegar ao México e Colômbia.

Produtores devem ter uma visão estratégica e global, diz a ministra

AESE - Escola de Direção e Negócios

Olhar para mercados novos e encontrar alternativas de produção. Para a ministra da Agricultura e do Mar, Assunção Cristas, deve ser esta a aposta do setor agroalimentar para crescer. “A nossa preocupação é desafiar o setor a produzir mais e olhar para aquilo que são as carências alimentares na economia global”, adiantou, esta quarta-feira, durante uma conferência na AESE – Escola de Direção e Negócios.

Para que isso aconteça, é preciso que os produtores tenham uma visão estratégica e global, ou seja, que considerem produzir e exportar para outros mercados, explicou, alertando que um dos grandes desafios da próxima década vai passar pelo défice alimentar da população mundial.

Estamos no mercado europeu, que é enorme, e é preciso consolidar os mercados tradicionais. Mas também é preciso olhar para mercados novos. Se houver um problema na Rússia, por exemplo, tem de ser possível encontrar uma solução no Chile ou na Colômbia”, disse, durante a conferência que integrou o Programa de Direção de Empresas Agrícolas e Agroindustriais, da AESE.

Termos como “flexibilidade” e “inovação” devem ser as palavras de ordem dos produtores. “No comércio internacional, o que é verdade hoje amanhã pode já não ser”, referiu, acrescentando que está para “muito breve” a entrada de produtos portugueses em duas novas geografias: México e Colômbia.

Em três anos e meio, abrimos 70 novos mercados”, adiantou Assunção Cristas, acrescentando que os produtores vão “precisar de ir para outras geografias”. De acordo com a ministra, se no conjunto da economia portuguesa, em 2014, as exportações cresceram 1,9% e “foi o melhor ano de sempre”, no setor agroalimentar cresceram 7,8% no mesmo ano.

Sobre se algum dia Portugal pode vir a ser um país autossuficiente em matéria agroalimentar, a ministra referiu que numa economia aberta e competitiva, tal não é viável. “Não há forma de produzir tudo no nosso país de forma competitiva“, disse. E avança que o Governo não deve impor aquilo a que chama as “fileiras estratégicas”: “os agricultores é que devem saber por onde querem ir”, referiu, acrescentando que, “na agricultura, não pode haver filhos e enteados“.

“Tem havido um dinamismo interno em todo o setor. Num momento em que a economia estava a decrescer, este foi o único setor em que houve crescimento“, referiu, acrescentando que em matéria de mercados internacionais, é preciso que os produtores não esqueça três fatores; quantidade, qualidade e organização, para que os produtos cheguem bem ao destino. “Isto só é possível com escala”, acrescentou.

Para isso, o Governo está focado em garantir uma boa execução dos fundos disponíveis, concentrar ao máximo a oferta e privilegiar os jovens agricultores, que são precisos para reforçar o setor, adiantou Assunção Cristas

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Floresta

As lições que continuamos a não querer aprender

António Cláudio Heitor

É mais fácil culpar o desleixo, a mão criminosa e a falta de gestão dos proprietários, do que assumir o erro de centrar as questões no combate. A raiz do problema está na desertificação do mundo rural

Incêndios

Incêndios: alguém puxou a cassete para trás

Teresa Cunha Pinto

Reduziram Portugal a um campo de batalha dividido ao meio, onde num lado estão os que merecem e do outro os que não merecem. Este país profundamente só e abandonado deixa-nos a todos sem chão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)