Futebol

Vítor Pereira obrigado a fugir de adeptos rivais e vê Olympiacos perder

Treinador português Vítor Pereira, do Olympiacos, teve que fugir, na sequência de uma invasão de campo dos adeptos do Panathinaikos, quando o técnico se encontrava junto a uma das balizas.

Vítor Pereira aproximou-se de uma das balizas, situação que acabou por desencadear a ira dos adeptos da equipa da casa

SERGEY DOLZHENKO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O treinador português Vítor Pereira, do Olympiacos, campeão grego de futebol em título, teve hoje que fugir, na sequência de uma invasão de campo dos adeptos do Panathinaikos, quando o técnico se encontrava junto a uma das balizas. Antes do início do dérbi, que o Olympiacos perdeu por 2-1, Vítor Pereira aproximou-se de uma das balizas, situação que acabou por desencadear a ira dos adeptos da equipa da casa, que de imediato lançaram fumos e tochas para a zona onde estava o técnico.

A situação ainda ficou mais tensa quando a claque forçou a entrada no relvado, ainda antes do início do jogo, levando a que a comitiva do Olympiacos e os jogadores que faziam o aquecimento tenham corrido para o túnel de acesso ao relvado. O início do jogo acabou por se atrasar, com a equipa de Vítor Pereira — que assumiu o comando em janeiro – a perder e a ter agora apenas três pontos de vantagem para o Panathinaikos, após a 25.ª jornada, a nove do final.

O Panathinaikos chegou mesmo a estar a vencer por 2-0, com um autogolo de Masuaku (49) e um golo de Petric, num jogo em que o Olympiacos apenas reduziu nos descontos, por intermédio do argentino Domínguez (90+6). Na equipa da casa, o médio Zeca, antigo jogador do Casa Pia e do Vitória de Setúbal, foi titular.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)