Rádio Observador

Cafetarias

Chegou a BAGGA, a Padaria Portuguesa da Sonae

1.277

Há uma nova marca de cafetarias a chegar às principais cidades portuguesas, com o selo da Sonae MC. Chama-se BAGGA e faz lembrar, com as devidas diferenças, a cadeia lisboeta Padaria Portuguesa.

Longe vão os tempos em que a Sonae se dedicava apenas aos termolaminados decorativos, a área de negócio que lhe deu origem ao nome, entretanto abreviado — Sociedade Nacional de Estratificados. Depois de se expandir ao retalho, ao turismo, ao imobiliário, às telecomunicações e até à imprensa escrita, entre outros, a empresa agora liderada por Paulo Azevedo iniciou recentemente uma incursão pelo setor alimentar, numa perspetiva de comércio de bairro, com uma nova marca, a BAGGA, um conceito misto de padaria, pastelaria e cafetaria.

Não é difícil encontrar semelhanças entre a primeira loja, aberta desde o início de março na zona do Saldanha, em Lisboa, e as da já célebre cadeia Padaria Portuguesa que conta quase 30, espalhadas por quase todos os bairros da capital — e é possível que enquanto se escreve esta frase tenha inaugurado mais uma, tal tem sido a velocidade de expansão desde o arranque, em 2010. Ok, na BAGGA não há uma bicicleta à porta (a não ser que esse seja o meio de transporte de algum cliente) e o visual não tem a mesma inspiração trendycional, mas de resto está tudo lá. Os produtos bem expostos à vista do cliente, fornadas diárias de pão quente e uma quantidade apreciável de menus e combinações apropriados às diversas refeições do dia, disponíveis a qualquer hora. Aqui, no entanto, a estrela da casa não é o pão de deus, mas sim os pastéis de nata, que até têm pergaminhos: os do Continente foram eleitos os segundos melhores do país, em 2013, no concurso organizado no âmbito do festival Peixe em Lisboa.

bagga, pastelaria,

Em breve, a marca vai expandir-se a novos espaços, dentro e fora de hipermercados e centros comerciais. (Foto: Hugo Amaral / Observador)

Além disso, e para evitar comparações, os responsáveis da marca dizem querer fazer da BAGGA um “espaço único e com características diferenciadoras.” Se durante o primeiro mês houve concertos de jazz e um barista convidado, de futuro a marca promete não ficar por aqui. “Vamos apresentar mais novidades musicais e culturais, de forma a tornar os espaços BAGGA um ponto de encontro para os nossos clientes.”, referem. A marca destaca-se também por uma aposta reforçada em produtos práticos e saudáveis, aquilo que entendem chamar de easy food.

O espaço aberto no início do mês passado na rua Tomás Ribeiro, perto do Fórum Picoas, é só o primeiro de muitos e não só em Lisboa, já que a Sonae afirma prever “a sua expansão, em diversos formatos, a vários pontos do país”. Ou seja, é de prever que, em breve, surjam outras BAGGA por aí. Sempre com uma vantagem para quem faz compras nos hipermercados do grupo, já que é possível usar o cartão Continente para pagar o que se consome.

NomeBAGGA
Morada: Rua Tomás Ribeiro, 41 (Saldanha), Lisboa
Telefone: 21 011 8447 / 96 694 7831
Horário: Todos os dias entre as 07h00 e as 21h00

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política Económica

“A embriaguez da vitória…”

Jorge Silveira Botelho

Se continuarmos embriagados com a política social de “panem et circenses”, na próxima crise vamos acabar por ficar sem passes, sem transportes e sem dinheiro para saúde, para justiça e para educação.

Economia

O Congresso dos Economistas /premium

Manuel Villaverde Cabral

A legislação que regula as empresas e os investimentos é tão complicada e contraditória que não só arrasta os processos muito mais tempo que a média europeia como leva os investidores a desistirem.

Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)