Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Tudo começou quando Mikko Lagerstedt se dirigia até casa de uns familiares. Era um fim de tarde chuvoso de verão na Finlândia, mas a chuva decidiu abrandar e o sol começou a despontar entre o nevoeiro que se desvanecia. Lagerstedt percebeu naquele momento que queria eternizar essas paisagens.

Foi assim que pegou numa máquina fotográfica e foi apurando a técnica para criar “imagens visuais e emotivas”. Mas o fotógrafo assume que houve um outro episódio mais marcante que influenciou o modo como olha para o mundo: a perda do melhor amigo aos vinte anos.

Ao longo do percurso profissional, apaixonou-se e dedicou-se à fotografia de Belas Artes e às imagens noturnas e atmosféricas. Esta fotogaleria é prova disso, mas encontre mais imagens no siteFacebook e do Instagram do artista.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR